Compartilhe este texto

Busca de Dom Phillips e Bruno marcada por dificuldades. Entenda


Por Raimundo de Holanda

08/06/2022 19h05 — em
Bastidores da Política



Uma quarta-feira de buscas no Vale do Javari, no Noroeste do Amazonas, e nenhum sinal do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo. As dificuldades no deslocamento de pessoal -  improvisada diante de uma comoção nacional e internacional - são imensas. Os perigos, também. Não é fácil entrar na região, nem mesmo para os militares. A área não se tornou apenas uma rota do tráfico de drogas procedente da Colômbia e do Peru. Em parte, é ocupada por plantações de coca. Na prática, uma terra de ninguém. E de todos –  dos traficantes, dos caçadores, dos grileiros, dos contrabandistas, dos garimpeiros, de ONGS  (e seus financiadores) e das diversas denominações religiosas que impõem a conversão dos índios ao cristianismo. Uma terra que no papel é dos índios do Brasil. Mas apenas no papel.

O Exército, a Polícia Federal e a Marinha enviaram seus homens para uma missão quase impossível e ao mesmo tempo perigosa: encontrar Phillips e Bruno. Afinal, há uma decisão judicial que precisava ser acatada. Entende-se a dubiedade da nota inicial do Comando Militar da Amazônia, de que aguardava autorização do comando superior para iniciar as buscas.  É que os riscos de entrar no Vale do Javari são grandes e o Exército sabe disso.

Sabe que os homens deslocados para a operação também correm perigo, apesar de preparados. O que retorna à questão que comentamos ontem: o que motivou a incursão de Dom Phillips e Bruno numa área que eles sabiam ser extremamente perigosa?

O problema dos jornalistas da chamada "imprensa profissional" é acharem que são donos do mundo e senhores absolutos da verdade factual. E que, no mínimo, podem se tornar mártires. Não é uma visão inteligente de um mundo complexo e violento como a região do Vale do Javari. Se já é perigoso fazer jornalismo nas grandes cidades, imaginem numa região dominada pelo tráfico, pela cobiça de garimpeiros, contrabandistas, interesses de Ongs, organizações religiosas e grileiros ?

Todos os governos pós-democratização – de Sarney a Lula-Dilma viraram as costas para a região.

Ainda que a homologação da área tenha ocorrido no  governo Fernando Henrique Cardoso, em 2001, nada além de falsas políticas de proteção ao índio foi registrado  nos governos seguintes (Lula-Dilma), que ainda cometeram o erro de permitir acesso ilimitado as aldeias pelas denominações religiosas e pelas  Ongs – o que já constitui    uma violência contra a cultura indígena.

O governo Bolsonaro apenas entornou um caldo de violência que já existia, desmobilizando a Fundação Nacional do índio e escancarando as portas do paraíso para seus fanáticos seguidores – garimpeiros e religiosos.

A torcida é que Phillips e Bruno sejam encontrados, mas o tempo decorrido – do desaparecimento até aqui – já indica que uma tragédia aconteceu. Porém, essa é uma história  ainda não revelada,  mas que será contada nos próximos dias.

Veja também:

Polícia não encontra vestígios de sequestro de jornalista e indigenista e buscas continuam 

PF diz ter esperança de encontrar indigenista e jornalista vivos, mas não descarta homicídio

Jornalista do The Guardian e indigenista desaparecem em viagem ao Amazonas

Indigenista da Funai e jornalista sofreram ameaças dias antes do desaparecimento no Amazonas

O que se sabe sobre o desaparecimento de indigenista e jornalista do The Guardian no Amazonas

PF é acionada para investigar desaparecimento de jornalista e indigenista em Atalaia do Norte

Saiba quem são Bruno Pereira e Dom Philips, desaparecidos em Atalaia do Norte

Reforço policial é enviado para buscas de jornalista e indigenista desaparecidos em Atalaia do Norte

MPF acompanha caso de desaparecimento de indigenista e jornalista em Atalaia do Norte

Marinha participará das buscas por jornalista do The Guardian e indigenista em Atalaia do Norte

Esposa de jornalista desaparecido em Atalaia do Norte apela por ajuda

PF prende dois suspeitos de desaparecimento de jornalista e indigenista em Atalaia do Norte

Buscas por indigenista e jornalista britânico desaparecidos são retomadas no Amazonas

Força-tarefa da SSP embarca para Atalaia do Norte em busca dos desaparecidos

Indigenista da Funai mandou áudio antes de desaparecer: ‘chego dia 6’

Família do indigenista Bruno Pereira relata sentimento de angústia e faz apelo

Univaja diz que 60 pessoas fazem buscas em trajeto onde jornalista e indigenista deveriam passar

Exército faz buscas por jornalista e indigenista desaparecidos em Atalaia do Norte; vídeo

Polícia ouve 1º suspeito de desaparecimento de jornalista e indigenista em Atalaia do Norte

Extremamente arriscada', afirma ex-presidente da Funai sobre viagem de indigenista e jornalista à Atalaia do Norte

Buscas por indigenista e jornalista desaparecidos são intensificadas em Atalaia do Norte

'Vamos achar para acertar as contas', diz bilhete com ameaça a indigenista

Indigenista desaparecido treinava índios para monitorar região com drones

Justiça determina que União reforce buscas por indigenista e jornalista no Amazonas

Suspeito estava com munições e foi visto atrás de barco de indigenista e jornalista desaparecidos



Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Tem formação superior em Gestão Pública. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.