Compartilhe este texto

PF segurou operações no Vale do Javari antes de crime contra Bruno e Dom

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

05/07/2022 9h36 — em
Brasil


Foto: Ilustrativa/PF

A Polícia Federal segurou a realização de operações de combate a crimes ambientais na região do Vale do Javari e do rio Japurá, no Amazonas, e em três terras indígenas no Pará, onde a retirada de invasores está prevista em ação em curso no STF (Supremo Tribunal Federal).

As operações foram planejadas e acabaram barradas ou adiadas em razão de divergências internas entre gestores da PF. A polícia também alega dificuldades de logística e articulação com outros órgãos para realizar as operações.

Em nota, a PF disse que houve substituição da operação no Vale do Javari em razão de outros casos emergenciais, que não revela outras incursões planejadas e que há dificuldades para execução das operações em terras indígenas, com dependência de órgãos parceiros.

Além disso, segundo investigadores ouvidos pela reportagem, os atos do presidente Jair Bolsonaro (PL) em prol da mineração em terras indígenas e da fragilização da fiscalização ambiental alimentam a divisão em órgãos como a PF, com reflexo nas ações de repressão.

A operação que seria feita na região do Vale do Javari foi desenhada em outubro de 2021. Ela estava prevista para dezembro ou para o começo de janeiro.

Um nome chegou a ser pensado para a ação: operação Kambô, em referência ao veneno extraído de uma rã da Amazônia.

Uma operação conjunta, liderada pela PF, percorreria os rios Javari e Juruá, com finalidade de repressão a balsas de garimpo, esquentamento de madeira, pesca ilegal e transporte de drogas.

A Marinha já havia sido contatada para o apoio logístico nos rios. A ação envolveria ainda Exército, Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) e outros órgãos.

O indigenista Bruno Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips foram assassinados em 5 de junho, quando desciam o rio Itaquaí, ao lado da terra indígena Vale do Javari, rumo a Atalaia do Norte (AM). Os suspeitos são pescadores ilegais de pirarucu.

A última ação da Polícia Federal na região, segundo relatos obtidos pela reportagem, ocorreu em setembro de 2019. A Operação Korubo, feita por PF, Ibama e Funai (Fundação Nacional do Índio), destruiu 60 balsas de garimpo que operavam em duas terras indígenas, a Vale do Javari entre elas. No território vivem numerosos povos isolados.

A operação foi encerrada em 13 de setembro daquele ano. Em 1º de outubro, o Ministério da Justiça e Segurança Pública, então comandado pelo ex-juiz Sergio Moro, exonerou Bruno Pereira do cargo de coordenador-geral de Índios Isolados e de Recente Contato da Funai. Ele atuou no suporte à operação Korubo.

Com a exoneração, assinada pelo então secretário-executivo da pasta, Luiz Pontel de Souza, o indigenista decidiu se licenciar da Funai. Passou a atuar na Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari) e foi um dos responsáveis por estruturar o serviço de vigilância indígena que garante a fiscalização do território.

"Havia sim previsão de intervenção na região, sendo que o efetivo foi realocado diante das emergências de intervenção no rio Madeira, quando dezenas de balsas garimpeiras foram inutilizadas pela PF, em dezembro de 2021, no Amazonas", disse a PF, ao ser questionada sobre a suspensão da ação planejada no Javari para ocorrer entre o final do ano passado e o início de 2022.

Também por emergência, segundo a PF, foi necessário intervir no rio Tapajós, no Pará, "onde a mineração ilegal alterou inclusive a coloração do rio, sendo então deflagrada a Operação Caribe Amazônico", continuou a polícia em nota.

Apesar da falta de uma operação na área do Vale do Javari, investigações da PF em Tabatinga (AM), cidade próxima ao local, apuram fatos criminosos na terra indígena. Os crimes atingem os indígenas, segundo a polícia.

Embora tenha reconhecido o adiamento da Kambô, a PF deixou aberta a possibilidade de que a operação seja realizada no futuro e disse não poder fazer comentários sobre "momento da deflagração".

"Quanto à citada operação [Kambô], necessários se fazem alinhamentos, inclusive quanto à determinação do nome da operação, sendo este fato secundário e de menor relevância. Quanto às datas, a indicação do momento da deflagração, por motivos óbvios, compromete não só a segurança dos servidores e cidadãos, mas sobretudo o resultado útil do trabalho", afirmou a PF.

No rio Japurá, que no mapa fica acima do Vale do Javari e de Tabatinga, a operação planejada focava a pesca ilegal e o tráfico de drogas. Investigadores temem que a região ganhe contornos de violência semelhantes aos vistos na região do Javari. O pedido de uma operação partiu do MPF (Ministério Público Federal).

"Eventuais futuras incursões [no rio Japurá] não podem ser reveladas", disse a PF.

O MPF no Amazonas afirmou que operações do tipo dependem do envolvimento de PF, Forças Armadas, Ibama, ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e outros órgãos. "A definição de data para a deflagração depende da organização das ações entre esses órgãos operacionais."

Em abril, a PF apresentou um cronograma ao STF para retirada de invasores das terras indígenas Mundurucu, Kayapó e Trincheira/Bacajá, no Pará. A previsão era de que as ações ocorressem até junho, o que não ocorreu até agora.

Grilagem e invasões com milhares de cabeças de gado são alguns dos problemas a serem enfrentados nessas terras indígenas.

O cronograma da PF foi apresentado dentro da ação que pede a retirada de invasores em sete territórios: Yanomami, Karipuna, Uru-Eu-Wau-Wau, Arariboia, Mundurucu, Kayapó e Trincheira/Bacajá. A ação é relatada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do STF, que já deu decisões favoráveis à desintrusão.

"Foi apresentado o calendário de atuação ao ministro relator da ação, para cujo cumprimento a PF está envidando todos os esforços, o que envolve inclusive o chamamento de órgãos parceiros para atuação", disse a Polícia Federal, em nota.

O obstáculo mais comum é a falta de aeronaves para as ações. O Ministério da Defesa vem recusando o fornecimento dessas aeronaves para operações conjuntas.

"Das sete terras indígenas da ação, já houve intervenção em três delas, sendo de conhecimento público, veiculado pela própria mídia, as dificuldades encontradas pela PF para as execuções das intervenções", afirmou a PF.

 

Veja também:

Terceiro suspeito confessa participação nas mortes de Dom e Bruno, mas nega ter atirado

Polícia prende 3º suspeito de matar Dom Phillips e Bruno Pereira em Atalaia do Norte

Buscas por barco de Dom e Bruno continuam neste sábado em Atalaia do Norte

Justiça decreta prisão de 3º suspeito pelas mortes de Dom e Bruno no Amazonas

PF confirma que restos mortais encontrados no Vale do Javari são de Dom Phillips

Univaja critica PF sobre não haver mandantes no assassinato de Bruno e Dom

PF diz que não existe mandante da morte de Dom Phillips e Bruno Pereira

​Funai é proibida de falar mal da trajetória de Dom e Bruno, determina Justiça

Corpos do jornalista Dom e do indigenista Bruno são encontrados no Amazonas

Irmãos confessam assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips, afirmam fontes da PF

Irmão de 'Pelado' é preso suspeito de desaparecimento de Dom e Bruno no Amazonas

Preso por suposto envolvimento no sumiço de Dom e Bruno é levado para área de buscas

Indigenista denunciou pescadores do Vale do Javari em áudio: 'Estão atirando na equipe'

STF anuncia grupo com Sebastião Salgado e Wagner Moura para acompanhar buscas por Dom e Bruno

Embaixada do Brasil admite erro sobre corpos de Dom e Bruno terem sido encontrados 

Polícia mira novos suspeitos do desaparecimento de Bruno Pereira e Dom Phillips

Buscas por Dom e Bruno continuam nesta terça no Amazonas

PF divulga nesta semana análise de material encontrado em buscas por Dom e Bruno

Fotos dos objetos de Bruno e Dom Phillips após desaparecimento são divulgadas

PF investiga se sumiço de Bruno e Dom tem ligação com 'máfia dos peixes' do narcotráfico

Esposa de indigenista cobra explicações após embaixador confirmar corpos de Bruno e Dom

Indígenas protestam em Atalaia do Norte após desaparecimento de Bruno e Dom

Bolsonaro diz que vísceras foram achadas em rio e vê indícios de 'maldade' a Dom e Bruno

Dom e Bruno Pereira: Corpos foram achados amarrados em árvore, diz The Guardian

PF encontra material orgânico 'aparentemente humano' em rio durante buscas por Dom Phillips e Bruno

Procuradores municipais são advogados de suspeito no desaparecimento de indigenista e jornalista 

Testemunha diz que viu homem se armar e ir atrás de indigenista e jornalista no Amazonas

Justiça Federal determina reforços em buscas pelo indigenista e jornalista desaparecidos em Atalaia do Norte

Ministro da Defesa nega atraso nas buscas por indigenista e jornalista desaparecidos em Atalaia do Norte

Especialistas em ambiente de selva atuam em buscas a indigenista e jornalista desaparecidos

Polícia não encontra vestígios de sequestro de jornalista e indigenista e buscas continuam 

PF diz ter esperança de encontrar indigenista e jornalista vivos, mas não descarta homicídio

Jornalista do The Guardian e indigenista desaparecem em viagem ao Amazonas

Indigenista da Funai e jornalista sofreram ameaças dias antes do desaparecimento no Amazonas

O que se sabe sobre o desaparecimento de indigenista e jornalista do The Guardian no Amazonas

PF é acionada para investigar desaparecimento de jornalista e indigenista em Atalaia do Norte

Saiba quem são Bruno Pereira e Dom Philips, desaparecidos em Atalaia do Norte

Reforço policial é enviado para buscas de jornalista e indigenista desaparecidos em Atalaia do Norte

MPF acompanha caso de desaparecimento de indigenista e jornalista em Atalaia do Norte

Marinha participará das buscas por jornalista do The Guardian e indigenista em Atalaia do Norte

Esposa de jornalista desaparecido em Atalaia do Norte apela por ajuda

PF prende dois suspeitos de desaparecimento de jornalista e indigenista em Atalaia do Norte

Buscas por indigenista e jornalista britânico desaparecidos são retomadas no Amazonas

Força-tarefa da SSP embarca para Atalaia do Norte em busca dos desaparecidos

Indigenista da Funai mandou áudio antes de desaparecer: ‘chego dia 6’

Família do indigenista Bruno Pereira relata sentimento de angústia e faz apelo

Univaja diz que 60 pessoas fazem buscas em trajeto onde jornalista e indigenista deveriam passar

Exército faz buscas por jornalista e indigenista desaparecidos em Atalaia do Norte; vídeo

Polícia ouve 1º suspeito de desaparecimento de jornalista e indigenista em Atalaia do Norte

Extremamente arriscada', afirma ex-presidente da Funai sobre viagem de indigenista e jornalista à Atalaia do Norte

Buscas por indigenista e jornalista desaparecidos são intensificadas em Atalaia do Norte

'Vamos achar para acertar as contas', diz bilhete com ameaça a indigenista

Indigenista desaparecido treinava índios para monitorar região com drones

Justiça determina que União reforce buscas por indigenista e jornalista no Amazonas

Suspeito estava com munições e foi visto atrás de barco de indigenista e jornalista desaparecidos

'Esse inglês era mal visto, fazia muita matéria contra garimpeiro', diz Bolsonaro sobre Dom



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Brasil

+ Brasil