Siga o Portal do Holanda

Saúde e Bem-estar

Coronavírus: Psiquiatras falam sobre medos e incertezas causados pelo isolamento social

Publicado

em

Foto: Pixarbay Foto: Pixarbay
Foto: Pixarbay

O que o governador Wilson Lima não pode controlar


Diante do crescente número de casos do coronavírus, as autoridades de saúde têm cada vez mais feito um apelo à população para que, com exceção dos que trabalham em serviços essenciais, as pessoas se resguardem em isolamento social. A recomendação, fundamental para evitar a disseminação do vírus, pode causar, no entanto, medos e incertezas em muitas pessoas e resultar em distúrbios emocionais e transtornos psiquiátricos.

“A maioria tem reagido com responsabilidade diante da recomendação de quarentena, mas aí, vêm as dificuldades. Há pessoas sofrendo com o aumento da ansiedade, medo de ficar sem atendimento, sem remédio, sentindo-se desamparadas, ou seja, mais do que nunca precisando de apoio e orientações”, fala o psiquiatra Dr. Luiz Alberto Hetem, um dos idealizadores do PQU Podcast, voltado para os psiquiatras em formação.

Um artigo feito por pesquisadores do King's College, de Londres, publicado em fevereiro na renomada revista médica científica The Lancet, mostra revisão de 24 estudos  que investigaram o impacto psicológico da quarentena durante epidemias no passado - incluindo SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) e Ebola. A maioria dos estudos revisados relatou efeitos psicológicos negativos, como sintomas de estresse pós-traumático, confusão e raiva. Os estressores incluíram maior duração da quarentena, medos de infecção, frustração, tédio, suprimentos inadequados, informações inadequadas, perda financeira e estigma.

Por conta de mudanças bruscas na rotina, parte importante do tratamento de transtornos mentais de grau grave e moderado, que envolve justamente o desenvolvimento de uma rotina saudável, pode se perder, explica o psiquiatra Dr. Vinícius Guapo, também idealizador do PQU Podcast. “É importante facilitar a comunicação virtual entre familiares e amigos que possam auxiliar no manejo do estresse; ocupar o tempo dentro de uma rotina diária, que contém agenda de atividade que leve em conta e respeite o horário de dormir e acordar, de reflexões e sem se esquecer de incluir nela momentos de lazer”, lista Guapo, completando que também é importante que as autoridades de saúde pública mantenham linhas claras de comunicação com as pessoas em quarentena sobre o que fazer se sentirem algum sintoma.

“Assistir séries, estudar e aproveitar para fazer cursos online também são boas alternativas para manter a cabeça ocupada de maneira construtiva”, acrescenta Hetem.

Os especialistas destacam ainda a importância de reforçar o senso de altruísmo e solidariedade, lembrando ao público os benefícios da quarentena para a sociedade em geral. “O sentimento de que outros se beneficiarão com seu sacrifício ajuda a mitigar o estresse do isolamento social”, pontua Guapo.

Problemas na pós-quarentena

A revisão de estudos feita por pesquisadores do King's College de Londres mostra que a perda financeira causada pela interrupção de atividades profissionais pode ser um estressor quando o período de resguardo chegar ao fim. Nos estudos revisados, a perda financeira resultante da quarentena foi considerada um fator de risco para sintomas de distúrbios psicológicos, como raiva e ansiedade, que se manifestaram vários meses após a quarentena.

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.