Suzuki apresenta planta fabril em Manaus à Suframa

Por Portal do Holanda

30/09/2020 12h11 — em Manaus

J Toledo produz no PIM as motos Suzuki - Foto: Divulgação/Suframa

Manaus/AM - Designs arrojados, projetos inovadores. Isto foi parte do que a alta gestão da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) pôde ver, na sexta-feira (25), em visita à planta fabril da empresa nacional J. Toledo, mais conhecida por representar a tradicional fabricante japonesa de motos Suzuki no Polo Industrial de Manaus (PIM).

A agenda coincidiu com o aniversário de 28 anos da empresa na Zona Franca de Manaus (ZFM), ocasião muito comemorada diante dos desafios que a Suzuki tem no Brasil, especialmente na busca por novos projetos que a alavanquem ainda mais no mercado nacional, principalmente pelo reconhecimento da marca entre os amantes das duas rodas.

Pelos cerca de 84 mil metros quadrados da J. Toledo, a empresa mantém uma extensa linha de produção de motocicletas da Suzuki e, por meio da JTZ Veículos, também produz marcas parceiras, como a Kimco e Haojue, que vêm ampliando sua participação no mercado.

O chefe de engenharia da empresa, João Luiz Santos, e a contadora Lilia Telma Duarte apresentaram à equipe da Suframa e ao gestor do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), Fábio Calderaro, a estrutura fabril da J. Toledo e as iniciativas que pretendem implementar para ampliar a representatividade da empresa no País.

Suframa como aliada

"Receber uma comitiva da alta gestão da Suframa na nossa empresa é importante por entendermos que as empresas devem ter na autarquia uma aliada para fomentar a geração de emprego e renda e demonstrar a validade do modelo Zona Franca de Manaus por todo o Brasil", afirmou João Luiz Santos, que ainda detalhou alguns dos projetos inovadores que a empresa vem desenvolvendo, mas que ainda estão sob sigilo industrial.

O titular da Suframa, Algacir Polsin, se disse gratificado pela oportunidade de entender um pouco mais da realidade de mais uma representante do polo de Duas Rodas do PIM e destacou que "é neste momento que passamos pelas linhas de produção e entramos no ambiente fabril que passamos a conhecer mais do dia a dia das empresas, suas demandas e desafios", afirmou.