Compartilhe este texto

Baixa cobertura vacinal pode favorecer aumento de casos de coqueluche no Brasil

Por Portal Do Holanda

14/06/2024 13h29 — em
Brasil


Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde emitiu alerta para o reforço da vacinação completa contra a coqueluche no Brasil. A vacina disponível no país é segura e eficaz e precisa de três doses para conferir proteção e mais uma dose a cada dez anos de vida, inclusive para adultos e idosos. 

Até as primeiras 14 semanas deste ano, foram confirmados 31 casos no país. O último pico epidêmico da doença ocorreu em 2014, com 8.614 confirmações. No entanto, entre 2016 e 2023, as coberturas vacinais se mantiveram abaixo do preconizado (entre 80 a 90%), o que contribuiu para o aumento de pessoas suscetíveis ao longo dos últimos 7 anos, situação que pode favorecer um surto semelhante ao que vem ocorrendo em outros países.  

Na União Europeia, segundo o European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC), houve um aumento significativo, totalizando 25.130 casos no decorrer de 2023 e mais 32.037 só nos primeiros três meses de 2024.  

Conhecida como tosse comprida, a coqueluche é uma doença respiratória altamente contagiosa causada pela bactéria Bordetella pertussis. "Os sintomas iniciais podem ser leves, assemelhando-se a um resfriado comum, mas evoluem para tosse severa, frequentemente acompanhada de chiado e dificuldade para respirar, principalmente nos menores de um ano de idade", explica a infectologista do Sabin Diagnóstico e Saúde, Ana Rosa dos Santos.  

A transmissão ocorre, principalmente, pelo contato direto do doente com uma pessoa não imunizada por meio de gotículas eliminadas por tosse, espirro ou até mesmo ao falar. 

A vacinação, portanto, é uma medida fundamental para proteger contra uma doença potencialmente grave. O calendário vacinal deve ser iniciado a partir dos 2 meses de idade e consiste em três doses da tríplice bacteriana (DTPa) ou pentavalente, que protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e Haemophilus influenzae tipo b. "Essas doses são aplicadas aos 2, 4 e 6 meses de vida, com intervalos mínimos definidos", comenta. 

Após o esquema primário, as crianças devem receber as doses de reforços aos 15 meses e entre 4 e 6 anos de idade. "É essencial que todas as doses recomendadas da vacina sejam aplicadas. Adolescentes e adultos também devem receber doses de reforço a cada 10 anos, pois são fundamentais para manter a imunidade, oferecendo uma proteção contínua ao longo dos anos", enfatiza Ana Rosa dos Santos. 

Para gestantes, a vacinação desempenha um papel importante na proteção do recém-nascido, por meio da transferência de anticorpos via placenta. Desde 2014, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) recomenda uma dose da vacina dTpa durante cada gestação, a partir da 20ª semana gestacional, para proteger o bebê nos primeiros meses de vida, antes que ele possa iniciar o próprio esquema vacinal. 

Profissionais de saúde, incluindo parteiras e estagiários em áreas críticas, como UTI neonatal, também são prioritários para a vacinação contra coqueluche. "A vacina é indicada como parte do calendário vacinal para adultos, garantindo que esses profissionais estejam protegidos e possam evitar a transmissão da doença em ambientes hospitalares". 

A infectologista lembra que nem a infecção natural, nem a vacinação conferem imunidade permanente. "O desafio aumenta quando crianças deixam de fazer vacinação de reforço entre 4 e 6 anos, adolescentes e adultos são infectados, pois são os principais transmissores da doença, especialmente quando não estão com a vacinação atualizada. Com o aumento dos casos observados globalmente, é fundamental que todos os públicos elegíveis recebam as doses e reforços, ou seja, esquema completo para ficar imunizado", reforça.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Brasil

+ Brasil