Compartilhe este texto

Governo celebrou 'queda' de mortes de yanomamis em 2023, antes de dados completos saírem

Por Folha de São Paulo

23/02/2024 18h30 — em
Variedades



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério da Saúde publicou, no início de janeiro deste ano, texto em que comemorava uma suposta queda de óbitos no Terra Indígena Yanomami em 2023, na comparação com 2022. "Ações do Ministério da Saúde reduzem número de óbitos no território yanomami", dizia a publicação.

O texto foi ao ar antes de o balanço oficial do ano ter sido fechado. O território registrou 363 mortes de indígenas da etnia em 2023, acima dos 343 óbitos computados em 2022, último ano do governo Jair Bolsonaro (PL).

Questionado, o ministério respondeu que a publicação se referia aos números disponíveis em janeiro.

A ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, reconheceu que as ações no primeiro ano do governo Lula não foram suficientes para "solucionar todas as questões" dos yanomamis. Em entrevista coletiva nesta quinta (22), Guajajara atribuiu à presença do garimpo as dificuldades de atendimento aos indígenas e afirmou que o governo federal focou em ações emergenciais durante todo o ano passado.

"Agora a gente sai de ações emergenciais para ações permanentes com a instalação da casa de governo em Boa Vista", disse a ministra.

Questionado sobre as principais causas de morte dos indígenas, que se mantêm ativas no território, o ministério não respondeu.

A Folha de S.Paulo mostrou nesta quinta que o governo Lula reconheceu falhas na saúde indígena em plano enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal) no último dia 9.

Sobre o aumento das mortes mesmo após um ano de reforço no atendimento, o Ministério da Saúde afirmou que os dados referentes a 2023 não podem ser analisados em relação ao ano anterior.

Segundo a pasta, houve subnotificação de óbitos de indígenas durante os anos do governo Bolsonaro. A atual gestão afirmou ter encontrado um cenário de polos de atendimento fechados por ação de garimpeiros e diz que retomou a assistência. "Nós passamos a atuar em um território invadido por mais de 30 mil garimpeiros", disse o secretário de Saúde Indígena, Weibe Tapeba.

O governo federal iniciou um Inquérito de Saúde Indígena em parceria com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para analisar os registros de saúde de anos anteriores. A investigação também tentará explicar os cerca de 4.000 indígenas que não apareceram em dados do último Censo, quando 27,1 mil foram registrados no território yanomami. A base de dados do Ministério da Saúde identificou 31 mil indivíduos.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Variedades

+ Variedades