O maior inimigo de Bolsonaro

Por Raimundo Holanda

03/05/2020 20h26 — em Bastidores da Política

O presidente Jair Bolsonaro sabe que não tem a força para  tornar a Constituição “uma via de mão dupla”, como disse neste domingo a apoiadores, até porque a Constituição aponta para uma única estrada - a do direito, da justiça e da liberdade. A contramão desses princípios  só seria possível rasgando a Carta Maior do País e abrindo uma estrada perigosa, em terreno movediço.

Não tem força capaz de produzir isso - nem mesmo a Armada que o presidente diz estar ao seu lado. Provavelmente não está. E mesmo se estivesse, não tem a capacidade de rasgar a blindagem democrática tecida com suor e sangue de brasileiros nos últimos anos.

Bolsonaro muito provavelmente discursa para o seu público, já reduzido, e pode acabar mal - vítima de seus arroubos, de sua estatura pequena de estadista terceiromundista, golpista, amarrado a um passado que os brasileiros só querem mesmo é esquecer.

O pior inimigo do presidente é ele mesmo. Vai acabar só, como Collor, repetindo a célebre frase: “Não me deixem só!” Ninguém ouviu Collor, ninguém  vai ouvir Bolsonaro.