Bastidores da Política - Jogo político e fim de festa para Wilson Lima


Jogo político e fim de festa para Wilson Lima

Por Raimundo Holanda

24/08/2020 20h51 — em Bastidores da Política

O governador Wilson Lima “não participa” do jogo político visando as eleições deste ano, mas “discretamente” avaliza o assédio a partidos políticos e os arranjos daí decorrentes. 
A mudança na direção do PTB é só um exemplo.  A “mão” do governo para redirecionar as tendências do partido no Amazonas prevaleceu sobre intenções republicanas. 
Carlos Almeida, o vice-governador, sentiu que o caminho que a executiva nacional tomou poderia conduzir a um precipício, e que as novas alianças eram tóxicas. 

Sua saída do partido de Roberto Jefferson não surpreende. Carlos sabe que essa festa, em algum momento, vai acabar. 

PODER DE DECISÃO

O problema de Wilson  é o fato de ele não decidir, mas permitir que decidam por ele. Na prática, assume o risco que os vampiros que vivem à sombra  de seu governo não querem assumir.   

INOCENTE? INGÊNUO?

Wilson Lima está no governo há dois anos e não perdeu a inocência do apresentador que via o Amazonas através das lentes de uma câmera fechada em um Studio, nem o hábito de se inserir  no mundo das pessoas por meio da leitura do que escreviam para ele no teleprompter. 


Precisa acordar, abrir a janela e olhar o mundo real, ou responderá pelo que não fez, mas permitiu que outros fizessem. Seja porque é um ingênuo irrecuperável; seja porque é manipulável; seja porque, definitivamente, se recusa a sair do Studio onde via uma realidade invertida e com a qual não aprendeu a lidar.