A ditadura da bela contra as feras de Barreirinha

Por Raimundo Holanda

20/10/2019 21h16 — em Bastidores da Política

A juíza Larissa Padilha poderia adotar, olhando para o próprio corpo, o principio da  igualdade e da liberdade.  Se ela pode  mostrar o colo e não há nada de errado nisso - por que as meninas de Barreirinha não  podem mostrar as pernas ?

Ao determinar em portaria  o que uma “menina” pode ou não vestir, o Judiciário extrapola de suas funções - que se ressumem a atuar no campo do cumprimento das leis. Ir além disso, como fez a juíza Larissa Padilha, ao restringir o uso de minissaia na festa folclórica de Barreirinha, é intrometer-se na vida privada  dos cidadãos.

A juíza é uma mulher bela, naturalmente cortejada e não veste minissaia, mas suas fotos nas redes sociais revelam uma sensualidade explicita na região do colo. Um belo decote e muitos olhares…

Dote que nem todas as mulheres têm, mas podem fazer uso de uma  minissaia  ‘“quatro dedos abaixo da pélvis”, como fazia Wanderlea e toda uma geração de mulheres nos anos 70.

É um ato descabido judicializar costumes, impedindo que “as meninas menores de 18 anos  exerçam uma liberdade conquistada ao longo de meio século.

A juíza poderia adotar, olhando para o próprio corpo, o principio da  igualdade e da liberdade.  Se ela pode  mostrar o colo e não há nada de errado nisso - por que as meninas de Barreirinha não  podem mostrar as pernas ?

A ideia de que isso estimula no homem desejo pelo sexo é parte da natureza, que não será mudada por uma portaria. Mas as mulheres, mesmo as  “menores de 18 anos” tem o direito de mostrar o que  consideram o seu lado bonito - as pernas, ou, no caso das mais de 30,  o colo e o pescoço liso e branco…