Bastidores da Política - Bolsonaro manda, quem não obedece silencia.Isso tem preço para a democracia


Bolsonaro manda, quem não obedece silencia.Isso tem preço para a democracia

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

02/05/2021 19h57 — em Bastidores da Política

  • A utilização de helicópteros do governo pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, para iniciativas particulares, representa um grave desvio de função e um evidente ato de improbidade. Mas quem vai representar contra o presidente?

É correto o presidente Bolsonaro utilizar helicópteros da Força Aérea para sobrevoar com assessores manifestações a seu favor e fazer vídeos para seguidas postagens em rede social? Não estará se utilizando de um bem público para um propósito politico particular?

Claro que a utilização dessas aeronaves para iniciativas particulares representa um grave desvio de função e um evidente ato de improbidade.  Mas quem vai representar contra o presidente?

O Brasil vive um momento delicado, em que a Procuradoria Geral da República compromete sua independência funcional, essencial para a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis, carecendo de ações que demonstrem o restabelecimento de interesses republicanos.

A realidade é que os atos de Bolsonaro evidenciam a distorção do interesse público, sem a resposta da PGR, que tem o papel constitucional de ser fiscal da lei e órgão de sua execução.

Mas não peca sozinha. O Congresso Nacional  não reage, com seus caciques apostando no desgaste de um presidente que não seria competitivo em 2022… Não foi o que as imagens das manifestações de sábado mostraram: 1 milhão de pessoas nas ruas de São Paulo, outras centenas de milhares país afora, em apoio a  Bolsonaro.

Os políticos continuam com  uma visão vesga, equivocada, do momento porque passa o Brasil.

Há, nisso tudo, não apenas omissões. Há o risco de se tornarem rotineiras  perseguições  politicas e prisões. O Judiciário não pode ser desatento ao analisar pedidos de prisão, busca e apreensões, porque neles tem sido incluídos - e agora com mais frequência - entre supostos culpados, inocentes que, por exigência do poder, devem ter suas biografias maculadas.

Caminhamos para um estado policial, e  é precisa denunciar, gritar.  Esse silêncio de agora, dos  políticos e das instituições,  é  cúmplice. Mas tem um som: o da morte da liberdade e da democracia. Tudo o que precisamos evitar a qualquer preço

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.