Compartilhe este texto

É amor ou sexo?


Por Yasmin Feitosa

19/05/2022 23h44 — em
Amor, sexo e outros prazeres


Foto: Reprodução

São inúmeros os relatos de pessoas que se veem desiludidas no campo das relações amorosas. As chances de você ter um amigo (a) que ainda não chorou por alguém são mínimas. Afinal, porque duas pessoas se entrelaçam mais com o corpo do que com a alma? Atualmente, a liberdade para falar de sexo é grande, seja numa rodinha com amigos ou em um papo com uma sexóloga. Os chamados “tabus” são a cada dia mais discutidos na internet. 

Faz parte da natureza humana sentir desejo por alguém e escolher se entregar para a pessoa desejada, seja para transar na mesma noite em que se conheceram ou para dar a famosa ‘ficada’. Não existe vergonha quando o calor entre dois corpos começa a subir pelas pernas. E sim, é maravilhoso! A facilidade para interpretar esse desejo é grande. 

Mas quando a pessoa busca uma conexão mais de alma do que corpo, espera-se uma troca diferente. Nem sempre isso é atendido e a interpretação é diferente. A chamada reciprocidade vai além do que a troca de olhares, o cheiro bom do perfume, a beleza de um rosto e de um corpo, entre outros atrativos que você possa imaginar. Isso pode ser visto em diversas situações. 

O que antes era feito em segredo, hoje é em total liberdade. O ser humano tem o direito de escolher a forma de se entregar para alguém. Assim como aquele que escolhe não se entregar, dando valor à virgindade. E não precisa ser virgem para escolher! Nos anos 50, por exemplo, os namoros eram diferentes. Duas pessoas se encontravam, ou como dizem atualmente, tinham um ‘date’. Os beijos eram segredo e os pedidos de namoro continham romance e a certeza de um possível casamento, e claro, permissão dos pais para se encontrarem. 

Além do mais, as moças não podiam sair sozinhas e deveriam se casar virgens. Claro que nem todos atendiam a regra, mas a maior parte dos programas eram a base de conversa e planos para o futuro. Consegue imaginar como seria viver assim? Para alguns pode ser o certo, para outros pode ser uma espécie de prisão. E para as mulheres, puro machismo.

O sexo é uma escolha, é liberdade, mas o significado das relações fica subentendido para quem se entrega desde a primeira noite. Afinal, é amor ou só sexo? A facilidade para interpretar esse ponto é incerta.


Os artigos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados nesta coluna não refletem necessariamente o pensamento do Portal do Holanda, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

ASSUNTOS: Amor, sexo e outros prazeres