Sindicato faz defesa de jornalistas vítimas de agressão em Manaus

Por Portal do Holanda

10/03/2020 22h00 — em Amazonas

Manaus/AM - “Registramos a prática de violência contra oito profissionais no Amazonas: Auxiliadora Tupinambá, Édila Chaves, Ana Luiza, Larissa Balieiro, Ariana Clécia, Meriane Jeffreys, Matheus Medina e Edmar Barros.“

Nota oficial do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amazonas:

“Escrever e registrar sua própria história é uma das grandes conquistas da humanidade nesta era de disrupção tecnológica que nos permite voz e vez em mundo de possibilidades que é o espaço da Internet.

Este espaço, porém, não é desvinculado da realidade. Ele tanto reflete quanto interfere na mesma, sendo, por isso, de responsabilidade de todos nós. “É o futuro da comunicação”, como convencionou-se dizer e pensar. Pois então, dele devemos cuidar, preservar e manter princípios que nos são caros e próprios enquanto sociedade democrática.

A falsa disputa de narrativas que vem sendo colocada para amedrontar e calar a voz dos que defendem ainda os preceitos éticos da profissão não é um fenômeno localizado; é global. Pois não há disputa, há a defesa do compromisso da verdade, do compromisso com os fatos, do exercício profissional do jornalismo em qualquer âmbito social, seja impresso ou on-line.

Para muito além dos cliques e audiência – e isto não é uma defesa do voto de pobreza porque, claro, sem geração de renda não há empregos – está é nossa responsabilidade perante o que vamos escrever: vamos mesmo escrever algo sem checar? Vamos contribuir para a difusão de meias verdades, ou falsas verdades, com uma apuração mal feita? Vamos mesmo querer normatizar a violência? Quem vai nos controlar a não ser nossa própria consciência?

Somos também responsáveis pelo que a sociedade nos cobra. A pergunta que fica é: qual é a sua contribuição para o mundo enquanto profissional?

Balizar cliques e mensurar audiência com base em conteúdo desrespeitoso, antiprofissional, que incita qualquer tipo de violência é o mesmo que dizer que as pessoas têm que consumir isso ou aquilo porque é o que tem, porque não existe outra coisa. As grandes tiragens de jornais e vendas esgotadas estão aí para contar a história. O que mudou foi o meio, não o jornalismo.

É com esta NOTA EM DEFESA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOS JORNALISTAS no maior estado do Norte do País, que o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amazonas (SJPAM) manifesta-se solidário aos ataques que jornalistas vêm sofrendo nas duas últimas semanas.

Registramos prática de violência contra oito profissionais no Amazonas: Auxiliadora Tupinambá, Édila Chaves, Ana Luiza, Larissa Balieiro, Ariana Clécia, Meriane Jeffreys, Matheus Medina e Edmar Barros nesse período.

Informamos que o SJPAM tem conhecimento dos fatos relacionados a cada um e que se coloca de portas abertas para quaisquer tipos de apoio e orientação, como já vem ocorrendo com alguns casos por meio da assessoria jurídica do sindicato.

Conclamamos a todos que respeitam e honram esta profissão digna que é ser jornalista para que não nos acovardemos diante da luta que está sendo posta para nós. Juntos somos mais. E melhores!


Manaus,10 de março de 2020.

DIRETORIA
SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS NO ESTADO DO AMAZONAS – SJP/AM”


+ Amazonas