Homem que invadiu Globo viu miragem de Renata Vasconcellos antes de ataque

Por Portal do Holanda

11/06/2020 19h11 — em Famosos & TV

Foto: Reprodução/TV Globo

Thomas Rosa, que invadiu a Rede Globo na última quarta-feira (10) com o objetivo de ver Renata Vasconcellos teria visto uma miragem da âncora do Jornal Nacional antes de cometer o crime, informou a costureira Telma Francisco Rosa, mãe do rapaz, nesta quinta-feira (11).

O homem foi detido por cárcere privado, dando entrada no sistema prisional nesta quinta-feira, informou a Secretaria de Administração Penitenciária. Armado com uma faca, ele manteve a repórter Marina Araújo refém, e a soltou assim que de fato viu Renata Vasconcellos, que foi até o local orientada pela polícia.

"Ele [Thomas] chegou a falar que, nesta semana, Renata esteve no hotel onde ele trabalha aqui no Espírito Santo e perguntou dele. Mas isso é imaginação da cabeça dele, até disse que esteve com o Papa Francisco recentemente", afirmou a mãe ao jornal A Gazeta.

"Quando acordei [ontem], meu filho não estava em casa. As horas foram passando... Liguei à tarde para ele e não atendia. Comecei a ficar preocupada. [Desde então] Estou sem comer, sem dormir, sem acreditar que tudo isso aconteceu", disse a costureira. 

Ela afirmou que não sabia da viagem do filho até o Rio de Janeiro, já que eles moram em Vitória. E desabafou ao falar que não tem condição financeira de ir até o Rio e contratar um advogado para o filho. "Liguei para delegacias do Rio de Janeiro até descobrir para onde ele tinha sido levado, uma delegacia de Copacabana. Mas depois foi levado para a Casa de Custódia de Benfica. Meu filho sempre foi um excelente profissional, é uma  pessoa carinhosa, prestativa e ajuda qualquer pessoa no nosso bairro. Eu preciso saber o que fazer para tirar ele da cadeia, preciso resgatá-lo", disse ela, que não foi atendida pela Defensoria Pública e pelo Tribunal de Justiça do Espírito Santo por conta do feriado de Corpus Christi. 

Após o ocorrido, a Rede Globo emitiu uma nota afirmando que o ataque foi obra de uma pessoa com distúrbios mentais, sem nenhuma conotação política.