Laser mapeia e auxilia estudos sobre mortalidade de árvores na Amazônia

Por Portal do Holanda

17/02/2021 10h41 — em Amazônia

Foto: Christian Braga / Greenpeace

Usando um modelo inovador, um grupo de cientistas liderados por brasileiros conseguiu mapear as lacunas na Amazônia e destacar os fatores que contribuem para a mortalidade de árvores na maior e mais biologicamente diversa floresta tropical do mundo.

O estresse hídrico, a fertilidade do solo e a degradação da vegetação afetam a dinâmica desses limpadores, de acordo com estudo publicado em relatórios científicos. Uma explicação seria o fato de que abundante matéria orgânica contribui para o rápido crescimento das árvores mortais em menos tempo. Este método ainda fornece dados com uma precisão de aproximadamente 1 metro, o que permite um mapeamento muito detalhado de clareiras.

“As regiões oeste e sudeste da Amazônia apresentam um maior número de clareiras sob influência humana, que coincidem com a área próxima ao arco do desmatamento. Nessas regiões, a dinâmica da floresta é até 35% mais rápida do que no Oriente Médio e Norte, o que significa maior pastagem e  mortalidade ”, analisa Ricardo Dal'Agnol.


Deposição de carbono

Isso ocorre porque as árvores precisam de grandes quantidades de CO2 para se desenvolver durante a fase de crescimento.

As incertezas relacionadas com as causas e mecanismos da mortalidade das árvores, especialmente em menor escala, limitam a capacidade de medir com precisão o ciclo do carbono de uma floresta tropical e avaliar os impactos das alterações climáticas.

A mortalidade de árvores na Amazônia aumentou claramente desde a última década, provavelmente devido à maior variabilidade climática e crescimento mais rápido e feedback para a morte. Outros estudos nos últimos anos já mostraram o impacto das mudanças climáticas, especialmente altas temperaturas e climas áridos, na mortalidade de árvores em florestas tropicais.


Futuro

Dal'Agnol disse que um dos desafios agora seria mapear as árvores que morrem em pé para obter mais dados sobre a dinâmica da floresta. "Algumas árvores morrem e não caem, deixando apenas troncos como um esqueleto. Uma sequência seria tentar mapear essas árvores mortas em pé para complementar as informações de mortalidade”, explica o pesquisador.

No estudo, os pesquisadores apontaram que os padrões espaciais mapeados nas clareiras usando dados gerados por LiDAR eram "notavelmente consistentes com a taxa de mortalidade baseada em campo", mas mostraram uma taxa geral de 60% menor, "provavelmente devido à detecção predominante de árvores quebradas, arrancadas e limpas".

Agora, também com o apoio da FAPESP, Dal'Agnol está trabalhando em sua pesquisa de pós-doutorado usando a técnica LiDAR para quantificar a mortalidade de árvores e estimar a perda de biomassa em florestas tropicais.
 


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Amazônia