Excesso de selfie é por falta de sexo, aponta pesquisa

Por

25/06/2014 11h06 — em Mundo

A pesquisadora holandesa Christyntje Van Galagher, da Universidade de Wageningen, publicou um estudo em que mostra que a alta exposição pessoal no Instagram é carência sexual. Os selfies seriam como um grito de socorro de pessoas oprimidas. Para a doutora, "os viciados em selfies avaliam seu nível de bem-estar baseados nos likes que a imagem que construíram de si mesmo recebem. Usam filtros e tecnologias de manipulação de imagem para venderem uma imagem aos fãs. No entanto, a vida real é sem photoshop". O estudo entrevistou 800 pessoas adeptas aos selfies e 83% delas não possuem vida sexual ativa ou não se sente realizada sexualmente. A média de postagens é de 45 mensais e apenas duas relações sexuais no mesmo período de tempo.