Bastidores da Política - O assassinato do engenheiro Flávio e a explosão da selvageria virtual em Manaus


O assassinato do engenheiro Flávio e a explosão da selvageria virtual em Manaus

Por Raimundo Holanda

09/10/2019 21h02 — em Bastidores da Política

Há um ano da eleição para escolher o seu sucessor, o prefeito Arthur Neto é alvo de intenso bombardeio a partir  de programas populistas e de uma corrente de milhares de perfis, a maioria falsos,  atuando como tribunal de exceção nas redes sociais.

Neste mundo virtual sem leis e sem regras, os “juízes”  agem com extrema parcialidade.

É perigoso para a paz social e para a democracia  tolerar essa   selvageria virtual que tem marcado os últimos dias. Menos ainda de fomentar o jogo do quanto pior melhor, que não convém a Manaus e seu povo.

Após o tumulto inicial e a prisão dos envolvidos no caso da morte do engenheiro Flávio Rodrigues, chegou  a hora de separar o joio do trigo. Não somente por meio da investigação policial, mas pela sindicância que a própria prefeitura abriu.

Arthur acerta quando coloca à frente da gestão da crise o chefe da Articulação Política Luiz Alberto Carijó. Com isso abriu uma frente de ‘enxugamento’ político.

Uma medida mais que necessária no sentido de convergir as ações investigativas para um fim único, que é a solução do caso pelas vias legais, sem a ingerência dos atiradores de pedras.

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.