'Esse aumento é ilegal, indecente e imoral’ diz deputado Wilker Barreto

Por Portal do Holanda

07/01/2020 15h50 — em Amazonas

Manaus/AM - Os deputados Wilker Barreto (Podemos) e Dermilson Chagas (PP) irão ingressar com uma representação no Ministério Público do Estado (MPE-AM) e Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) contra a decisão do Governo do Amazonas de aumentar em 225% os vencimentos de funcionários lotados em cargos de alto escalão do Executivo, que elevou a folha de pagamento do Estado em mais de R$ 1,8 milhão.

Através da Lei Delegada nº 123, aprovada em 31 de outubro do ano passado pela base governista na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o Governo alterou as remunerações dos secretários executivos, inclusive os destinados à Casa Civil e à Vice-Governadoria, os secretários executivos, executivos adjuntos, diretores de autarquias e fundações, bem como titulares de outros cargos de confiança, totalizando 140 nomes.

A ação dos parlamentares visa a nulidade do ato do Executivo, o que pode gerar uma economia de R$ 25 milhões dos cofres públicos e evitar que o governo continue a ter ‘carta branca’ com a Lei Delegada.

“Esse reajuste é afrontoso para a sociedade, vergonhoso, pois é um tapa na cara do servidor público, que terá seu salário congelado pelos próximos três anos pelo próprio Governo. Estamos falando de quase R$ 25 milhões por ano em quase 200 cargos. Vamos ingressar com uma representação no Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado para tornar esse ano sem efeito. Esse aumento é ilegal, indecente e imoral”, comentou Wilker Barreto.

Já Dermilson Chagas afirmou que o “Governo não cansa de tomar decisões esdrúxulas, operando de forma estranha, confusa e que confia na impunidade”.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Amazonas