Tjam demite Adriano Salan, acusado de ser braço direito de suposta organização criminosa

Por

29/03/2012 0h13 — em Amazonas

O ex-secretário de governo de Coari, o oficial de Justiça Adriano Teixeira Salan, homem de confiança do ex-prefeito do município, Adail Pinheiro, foi demitido de sua função no Tribunal de Justiça do Amazonas. Ele era acusado de advocacia administrativa e pedofilia. Estava respondendo a um procedimento administrativo disciplinar na Corregedoria do Tribunal de Justiça por determinação do CNJ.

O parecer pela demissão foi da  juíza corregedora auxiliar, Ida Maria Costa de Andrade,  acolhida pela desembargadora e corregedora do Tribunal de Justiça, Maria do Perpétuo Socorro Guedes Moura. Na manifestação, a juíza auxiliar  determina que cópias dos autos da sentença contra Adriano Salan sejam encaminhados ao Ministério Público Estadual e Federal.

O assistente jurídico do TJ, Marcelo Corrêa, que também foi julgado pela corregedora auxiliar teve o procedimento arquivado.

Em dezembro de 2010, quando o Conselho Nacional de Justiça decidiu punir com aposentadoria compulsória os juízes Rômulo Fernandes e Hugo Levy, absolver os desembargadores Domingos Jorge Chalub e Yedo Simões, Adriano Salan e o servidor Marcelo Corrêa  não foram punidos pelo CNJ, que determinou que a Corregedoria do TJ  julgasse os servidor.

O CNJ instaurou o procedimento disciplinar com o objetivo de apurar o envolvimento de magistrados e servidores do Amazonas com uma quadrilha comandada pelo ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro.

O caso veio à tona durante a Operação Vorax, deflagrada em 2008 pela Polícia Federal. Escutas telefônicas revelaram as manobras judiciais que favoreceram o município de Coari no processo de partilha do ICMS.

 

 

NULL

O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Amazonas