Eleição, promessas e o novembro azul

Por Raimundo Holanda

31/10/2020 21h16 — em Bastidores da Política

Outubro passou e novembro é azul. Azul para quem? Ninguém explicou as razões pelas quais uma campanha de prevenção ao câncer de próstata é “azul”. O toque retal não é azul, as luvas do médico não são azuis e o resultado quase sempre é vermelho. Nada contra a campanha em si, mas é preciso explicar a origem das palavras, o sentido que elas têm, a relação de causa e efeito. E muitas vezes nada combina, nem cor, nem causa, nem efeito.

Coincidentemente esse novembro tem eleição, tem achismo, cor e promessa, invasão da intimidade do eleitor com o dedo em riste: "eu prometo…"  Tudo inventado, tudo azul…