Bastidores da Política - Crime organizado, empurrado pela corrupção, pode chegar ao Legislativo do Amazonas em 2022


Crime organizado, empurrado pela corrupção, pode chegar ao Legislativo do Amazonas em 2022

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

21/07/2021 19h39 — em Bastidores da Política

É preocupante a situação na qual o governador do Amazonas, Wilson Lima, caminhando para o fim do mandato, está deixando o Estado, dominado por facções criminosas. A luta entre o Comando Vermelho, o PCC e a FDN , com a supremacia do primeiro, ocorreu 'sem interferência' do poder público (Leia AQUI), que atuou como simples observador. Agora o CV domina as  rotas do  transporte de cocaína pelo rio Solimões e cria bases em Manacapuru e Iranduba, enquanto os piratas, que são crias de outras facções, atacam embarcações nos rios do Amazonas.  Pode ficar pior. O CV  tenta se infiltrar na política desde a eleição do ano passado e agora está de olho nas vagas de deputado na Assembleia Legislativa. O crime vai chegar lá pela omissão de muitos.

INDÚSTRIA DA MORTE

A indústrias funerária, que há 10 anos funcionava de modo artesanal em Manaus, cresceu em ritmo exponencial a partir de 2020, com o início da primeira onda da pandemia. As urnas passaram a ser feitas em escala industrial ou importadas. Isso explica em parte a disputa entre sócios de empresas do setor diante de um lucro crescente e de novas oportunidades.

SALVAR VIDAS ?

A morte tornou-se o melhor negócio em Manaus, com o surgimento de crematórios e cemitérios particulares, fora as  compras superfaturadas do governo do Amazonas para, supostamente, “salvar vidas”.

ABRINDO COVAS

Criou-se um ambiente de promiscuidade e de negócios escusos. A solidariedade cedeu lugar a ganância e parte do governo ajudou, de certa forma, a abrir covas, à medida que faltava oxigênio e demais insumos. A morte, como todos lembram, ocorria como em campos de concentração, pessoas sufocadas, famílias desesperadas. Faltava tudo, esperança da parte de familiares, solidariedade e ação da parte do governo. O resultado todos conhecem.

O LEGADO DO GOVERNADOR

Esse é o triste legado deixado até aqui pelo governador  Wilson Lima, que nos primeiros cinco meses deste ano assistiu, com certa passividade 7.898 amazonenses morrerem pela Covid e outros 580 serem vítimas de homicídio, em uma onda de violência sem precedentes. Nem se conta os que morreram em 2020 e ajudaram o setor “mortis”a alavancar os negócios.

TIROS NA FUNERÁRIA

Anteontem, sócios de uma funerária disputaram à bala a divisão de um negócio  no qual os lucros já eram grandes demais, assim como a desconfiança de que um estava passando o outro para trás. Mas esse é uma atividade lícita, necessária.Infelizmente...

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.