Bastidores da Política - Bolsonaro, STF e o racha na sociedade brasileira


Bolsonaro, STF e o racha na sociedade brasileira

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

19/08/2021 19h01 — em Bastidores da Política

  • Criticas à Corte Suprema fazem parte de qualquer democracia. Proibi-las, ainda que eivadas de ameaças não consumadas, é um ato de puro autoritarismo

Há uma confusa luta pela democracia no Brasil, travada por atores  que parece não compreendê-la. Seriam democratas os que pregam um governo militar, com  supressão de direitos? A  ideia em  si deveria ser tolerada em um  espaço democrático.  Ações no sentido de minar esse espaço de direitos estabelecidos, não.

Criticas à Corte Suprema fazem parte de qualquer democracia. Proibi-las, ainda que eivadas de ameaças não consumadas, é um ato de puro autoritarismo.

Veja também: Cantor Sérgio Reis e deputado Otoni de Paula são alvos de operação da PF

Bolsonaro de um lado e com ele parte substantiva do parlamento e as mídias sociais - forma a força que se contrapõe ao Supremo e a imprensa tradicional. O que ambos querem - e isso é muito confuso - é, na linguagem deles e ao seu modo, a democracia.

Ao dizer que  age “dentro das quatro linhas da Constituição”, Bolsonaro está dizendo que respeita a Lei  Maior do país e, portanto, é um democrata.

Ao criar inquéritos contra atos supostamente antidemocráticos, mandar prender e  eventualmente julgar os que saem  dessas “quatro linhas da Constituição”,  o ministro Alexandre de Moraes está dizendo, em nome do STF,  que defende a democracia.

O que nenhum dos lados percebe é que estão  minando a democracia - o primeiro porque não se submete a nenhuma norma e se insurge contra o voto eletrônico e as eleições. O segundo, porque está invertendo seu papel, que é o de resolver conflitos e não ser protagonista desses conflitos.

O que resultará desse embate imprevidente é a morte da democracia, independentemente do lado vencedor. É possível que dessa batalha  de celerados resulte um País mais podre, desorganizado, dividido,  falido institucionalmente e tendo como vítima o que aprendemos, ao longo da história,  como sendo o melhor sistema de governo.

Falta um poder moderador para salvar o que resta da democracia, o  que não existe. E o risco de um racha geral na sociedade brasileira é cada dia mais provável, com consequências previsíveis...

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.