Caio Paduan quebra o silêncio após relatos de abuso e estupro de Juliana Lohmann e Julia Konrad

Por Portal do Holanda

16/07/2020 20h58 — em Famosos & TV

Foto: Reprodução/Instagram

Julia Konrad e Juliana Lohmann desabafaram sobre relacionamentos abusivos na última semana, relatando casos chocantes de estupro e assédio. Alguns dos internautas associaram os relatos ao ator Caio Paduan, já que ele namorou as duas atrizes. 

Nesta quinta-feira (16) Caio se pronunciou, por meio de sua assessoria, sobre o assunto: "Em nome da assessoria jurídica dele o que posso dizer é que Caio Paduan desconhece os fatos. Não possui qualquer processo criminal ou investigação contra ele".

Já a assessoria de Julia Konrad, ao ser perguntada pela revista Quem se procede que Caio seria o namorado a quem ela se referiu nos relatos de estupro, deu a seguinte resposta: "Primeiramente, é importante reforçar o processo pelo qual a Julia passou até aqui para conseguir relatar em uma carta aberta tudo o que viveu, e sua coragem e motivação para tal relato tem como único objetivo alertar mulheres sobre situações tóxicas e abusivas que possam estar vivendo neste momento. É importante que elas saibam que não estão sozinhas e que nenhuma mulher precisa/merece viver numa relação pautada pela violência física e psicológica. Com isso, reiteramos que tudo que precisava ser dito está na carta publicada pela revista Claudia no dia 30 de junho. Entendemos o papel da imprensa e agradecemos o respeito e o cuidado que estão tendo neste momento. Mas nada mais será dito sobre o caso". 

Até o momento, Juliana Lohmann não se pronunciou sobre a associação feita ao seu caso relatado com o ex-namorado, Caio Paduan.

Entenda 

À revista Claudia no dia 30 de junho, Júlia Konrad relatou que foi estuprada diversas vezes durante um longo namoro que teve no passado. Ela relatou cenas chocantes de violência sexual.  ""Lembro de ter sido surpreendida pela força. Fui jogada na cama. Tentei beijá-lo para acalmar um pouco aquela afobação toda, mas de nada adiantou. Segundos depois minha roupa já tinha sido arrancada, ele tirava as calças com uma velocidade absurda, e antes que pudesse pensar em reagir, fui penetrada. Tudo acabou tão rápido como tinha começado. Não tive sequer tempo de pedir que ele usasse camisinha. Lembro de falar pra ele, imediatamente após o ato, que não transava sem proteção, mesmo usando pílula, já que uma gravidez não planejada não seria minha única preocupação. Ele percebeu meu desconforto e garantiu que sempre se cuidava, mas que não tinha conseguido pensar direito, tinha se deixado levar por um arroubo de paixão. Me abraçou, me beijou, a doçura retornava e me envolvia mais uma vez. Decidi ignorar a dor que sentia entre minhas pernas. Já iria passar. E ele era perfeito, não era? Foi só um desencaixe. As próximas vezes seriam melhores… nos conheceríamos mais. Eu poderia dizer o que gosto. Poderia ensinar algumas coisas. Não se descarta um homem desses assim tão fácil… certo? Errado. Esse foi o primeiro de vários estupros que sofreria durante anos de relacionamento".

Já atriz Juliana Lohmann usou as redes sociais para desabafar sobre o estupro que sofreu de um diretor de cinema, quando tinha 18 anos. Ela também relatou que viveu um relacionamento abusivo com violência doméstica, dando mais detalhes à revista Claudia: "Eu e esse namorado tivemos um relacionamento relativamente duradouro por volta dos meus 20 anos, no qual constantemente sofri violências psicológicas, verbais e físicas. Sempre muito ciumento, ele me tolhia no meu modo de dançar, de me vestir, de trabalhar e de me comunicar com as pessoas. As violências físicas começaram aos poucos: recebia apertões fortes e disfarçados quando ele queria que eu parasse de falar na frente de alguém e, quando estávamos à sós, ao se irritar, levava a mão fechada em direção ao meu rosto, mas socava a superfície atrás de mim. Uma vez, ele me empurrou no chão e caí uns três ou quatro metros depois. Fiquei mancando alguns dias, o que me fez ter que inventar uma desculpa no trabalho. Ele colocou a tesoura no meu pescoço e disse que ia me cortar inteirinha. E me trancou no banheiro de uma festa e ameaçou jogar uma garrafa de whisky na minha cabeça".