Especialista fala sobre cuidados com a saúde cardíaca

Por Portal do Holanda

30/09/2020 15h52 — em Saúde e Bem-estar

Foto: Reprodução / Atividades que diminuem o estresse, como yoga e meditação, são bem-vindos

Em 29 de setembro é celebrado o Dia Mundial do Coração, que tem como objetivo sensibilizar a população sobre a importância de manter o coração saudável. As doenças cardiovasculares como infarto, acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência cardíaca são as principais causas de morte no mundo e é responsável por 30% dos óbitos ocorridos no Brasil, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), somente em 2020, 270 mil brasileiros já morreram por doenças cardiovasculares. A adoção de hábitos saudáveis e a conscientização sobre os fatores de risco para doenças coronarianas tornam-se ainda mais relevantes no atual momento de pandemia mundial.

O cirurgião cardiovascular Luiz Saraiva alerta: quanto antes começar a prevenção, mais efetivo será o tratamento. “As doenças cardiovasculares podem ser silenciosas no começo, o que leva o indivíduo a não se cuidar e evitar uma complicação do quadro. Muitas vezes os pacientes chegam no consultório quando estão com algum sintoma e isso já pode ser um indicativo de que a doença está evoluindo para um quadro mais grave", explica o médico.

 

Saúde cardíaca na pandemia

Com uma pandemia sem precedentes e com a população tendo que rever sua rotina e hábitos de vida, muitas pessoas reduziram a frequência da prática de atividades físicas ou passaram a ser sedentárias. Isso somado ao estresse, ao aumento do consumo de bebidas alcóolicas e do tabagismo podem influenciar diretamente na saúde do nosso coração. Para reverter a situação, é preciso se reinventar e retomar alguns pequenos hábitos, para que o corpo entre em um ritmo saudável.

De acordo com o médico, a quantidade de pessoas que sofrem de Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) vem se duplicando ao longo dos anos. A HAS é uma doença crônica degenerativa multifatorial caracterizada pelo aumento dos níveis pressóricos acima de 135/85 mmhg e de caráter sustentado.

 

Uma das maiores preocupações dos profissionais de saúde é que a maioria dos casos de HAS são assintomáticos na fase inicial. “As complicações da doença dependem dos órgãos atingidos. A princípio a HAS pode acometer quase todos os órgãos do corpo, sendo assim pode levar a insuficiência renal, cegueira total ou parcial, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral, entre outros”, complementa Luiz.

 

Alimentação

O cardiologista esclarece que introduzir na sua rotina uma dieta mais saudável, rica em vitaminas, alimentos naturais, sem excessos, já é um bom começo principalmente em tempos em que as tentações na alimentação estão ainda maiores. "Evitar os alimentos ultra processados, gordurosos e com muito sal é essencial para manter a saúde do coração e reduzir os índices de colesterol, principal causador da aterosclerose, que é a formação de placas de gordura nas artérias. Essas gorduras provocam o endurecimento e o entupimento dos vasos sanguíneos", aponta.

Movimente-se

O médico ainda indica que a prática de 150 minutos de atividade semanal moderada oferece 98% dos benefícios para o coração. Esse tempo pode ser distribuído ao longo dos dias, como sessões de 10 minutos a 30 minutos, por exemplo. Atividades moderadas como uma caminhada rápida, e afazeres cotidianos como ir a pé aos locais mais próximos da residência ou trabalho, ou ainda priorizar o uso de escadas aos elevadores podem ser facilmente incorporados à rotina diária e fazem grande diferença na saúde do indivíduo. Atividades que podem diminuir o estresse, como yoga e meditação, são bem-vindos nesse momento além de trazer mais qualidade de vida.

Consultas

Outro ponto que anda preocupando os especialistas é a diminuição da procura por consultas de rotina, e da realização de exames de check-up, que são essenciais para manter o controle das doenças.

O médico explica ainda que é sempre importante tomar as medidas de higiene e precauções necessárias para combater o vírus da Covid-19, mas isso não pode ser um fator exclusivo no momento de procurar auxílio médico. "O paciente pode checar antecipadamente quais as medidas de segurança o hospital está adotando, como ele deve seguir na consulta, e seguir as orientações. Deixar de acompanhar a sua saúde pode ser perigoso a longo prazo", explica.