PPS lança candidatos e espera por Arthur

Por

05/05/2012 18h05 — em Amazonas

Manaus (Portal do Holanda) -  O PPS  apresentou neste sábado os nomes que vão disputar a prefeitura em pelo menos dez municipios do Amazonas, alguns como vice em coligações a serem definidas. São  eles:   Joaquim Vorado(Amaturá), Railson Torres (Coari), Antônio Ramos (Rio Preto da Eva), Sidney Fetrnandes( Codajás), Índio Kamico ( São Gabrielda Cachoeira), Pedro Bichara (Beijamim Constant),derson Mancilha(Novo Airão) Guerrinha (Presidente Figueiredo),Maria do Rosário (Careiro Castanho), Pedro Graça (Borba), Jadir (Maraã).

Em Manaus está definido o nome do vereador Hissa Abrahão, com possibilidade de o partido coligar com o PSDB, do senador Arthur Neto. Durante encontra da sigla neste sábado foi lida uma carta do ex-senador, que lamentou não poder estar presente. Leia abaixo:



 Companheiro Manoel Almeida Junior,


infelizmente não poderei comparecer ao ato público promovido pelo PPS-AM. Estou "preso" aos últimos compromissos do meu compromisso com o Itamaraty, no concernente à missão diplomática que me propuseram - e que aceitei - após a fraude eleitoral de 2010. Peço que você leia esta mensagem singela e breve aos companheiros socialistas, a começar pelo querido Roberto Freire, que é e sempre será uma grande referência política para mim. Minha vida universitária me atou ao Partidão e tenho enorme orgulho disso. Foi a reação, a princípio instintiva, que tive contra o regime de arbítrio que se implantava no Brasil. Depois, vi que era o mais acertado, o mais justo, o mais coerente, o mais decente. O PCB é o a história mais antiga e longeva da República brasileira.

Há usurpadores que, meros dissidentes de uma bela odisséia, pensam poder apropriar-se, imperdoavelmente, da verdade. Portinari nunca foi PC do B. Nem o Senador Luiz Carlos Prestes. Nem Niemeyer. O Partidão reunia intelectuais, artistas, figuras admiráveis. Sempre foi avesso a leviandades do tipo pegar em armas para apenas unificar as forças da repressão e fazer os trabalhadores sofrerem mais ainda. Suas plataformas sempre foram lúcidas e claras: defender temas que pudessem sensibilizar a sociedade, como o combate à política de arrocho salarial da ditadura, à tortura e à negação dos direitos básicos dos cidadãos. Propunha eleições diretas para Prefeitos das capitais, Governadores, Presidente da República.

Exigia anistia ampla, geral e irrestrita e a reconstitucionalização do país, através de Assembleia Nacional Constituinte. A ideia era acumular forças para forçar a derrocada do regime antipovo. E veio a democracia, no nível em que a conhecemos hoje, p[or cima dos radicalóides, dos foquistas, dos insensatos. O Brasil deve muito ao PCB, que hoje se representa pelo PPS. Falemos um pouco de Amazonas: meu partido, o PSDB, é tradicional aliado do PPS. Claro que as condições de conjuntura afastam ou aproximam as duas vontades numa ou em oura eleição. Estamos em processo de discussão. Tivemos a honra, em 2010, de apoiar o jovem vereador Hissa Abrahão, que brilhou e firmou nome político para o futuro próximo. Ele, o Deputado Arthur Bisneto, o Deputado Marcelo Ramos, o ex-Deputado Marcelo Serafim, são a face do futuro que se pode almejar para o grande estado que me viu nascer. Companheiros de mais estrada, como o Deputado Pauderney Avelino, do DEM, igualmente merecem a citação honrosa que se faz sobre os que preservam a coerência e o bom compromisso. Peço-lhe, Almeida Junior, que leia esta mensagem aos companheiros socialistas.


Meu coração está aí com todos vocês. Guto Rodrigues é o líder bancário a quem recorri, em 1978, para percorrer as salas do Basa e as ruas de Manaus, quando me candidatei à deputação federal pela primeira vez; Guto faz parte da minha vida e da galeria dos meus afetos. José Maria é outra liderança que se marca pela serenidade e pela coragem equilibrada; vejo nele um porto seguro e uma resposta positiva a quaisquer questionamentos sobre se há - ou não - militância política respeitável. Citando Guto e Zé Maria, imagino que homenageio todos os militantes e dirigentes do PPS de Manaus e do interior. Finalizo com o jovem Hissa Abrahão: não me arrependo do gesto ousado de 2010, quando os tucanos e os verdes apostaram em quem tinha sido eleito vereador com pouco mais de dois mil votos. Futuro a perder de vista. Que seus caminhos sejam sempre retos e nítidos.

Que a beleza da vida pública, que se lastreia no sacrifício e não na oportunidade, esteja sempre presente em todos os seus passos. Vida longa ao PPS. Minha admiração e fraternidade, que resistem às décadas, ao companheiro Roberto Freire. Somos viajantes do mesmo trem, que só visualiza o destino final, que é o do Brasil justo, da Amazônia compreendida e dimensionada, do Amazonas casado com a decência e com o verdadeiro desenvolvimento.

 

Com muita ternura,



Arthur Virgílio Neto

 

NULL

+ Amazonas