Crueldade: Menina torturada e abusada sexualmente durante cinco anos pela mãe e padrasto

Por Portal do Holanda

09/01/2015 10h55 — em Mundo

Lauren Kavanaugh de 21 anos,  da cidade de Dallas, Texas, foi mantida refém pelos abusadores dentro de um armário escuro, sem comida, bebida e direito a usar o banheiro durante cinco anos.

Os torturadores eram a mãe e o padrasto, a menina só era retirada da sua “prisão” quando queriam estuprá-la ou torturá-la.

A mãe e o padrasto da vítima a mantinham separada de dois irmãos e do resto do mundo. Aos três anos ela foi levada para dentro de um armário, no momento ela pensava apenas que estava de castigo, horas depois de agonia e no escuro, ela foi pega pelo casal e abusada sexualmente pela primeira vez.

 “Era uma criança fraca de fome e, muitas vezes, ficava amarrada e não poderia lutar contra os dois. Fui torturada diversas vezes – como quando minha mãe me dava banho e empurrava a minha cabeça para debaixo d’água. Quando tinha seis anos, um dia, ela colocou um prato de macarrão com queijo na minha frente e disse que poderia comer. Mas, depois me obrigou a cuspir tudo”, conta.

Ela era proibida de comer ou usar o banheiro durante cinco anos. Sobrevivia com restos de comida que encontrava próximo ao armário.

Ela era chamada como “o segredinho” pelos abusadores.

Aos oito anos a menina se libertou quando foi apresentada para um vizinho, que aterrorizado com a situação da criança: estava desnutrida, fraca e pesava menos de 11 quilos (peso de uma criança de dois anos). Também havia marcas de tortura pelo corpo e queimaduras de cigarro. Após receber tratamento em um hospital, onde passou por cirurgias, Lauren foi encaminhada à adoção.

Sua recuperação psicológica foi lenta. Quando sua mãe adotiva ia ajuda-la a tomar banho ela gritava “não me afogue”.

Lauren conta que nunca tinha vivido situações básicas: como brincar com um brinquedo, na verdade ela não sabia nem o que fazer. Contato com a grama, por exemplo, foi inédito na sua vida pisar pela primeira vez.

 “Eu achei que a grama estivesse me mordendo”, diz.

Aos 21 anos, Lauren está terminando o colegial e pensa em começar uma faculdade de psicologia para poder se tornar uma conselheira e ajudar outras crianças que sofrem abuso a vencer o trauma e a violência, assim como teve de fazer.

Barbara e Kenny Atkison foram condenados à prisão perpétua e estão presos.