Bastidores da Política - Denúncia de que agentes públicos do Amazonas negociaram com organização criminosa precisa ser apurada


Denúncia de que agentes públicos do Amazonas negociaram com organização criminosa precisa ser apurada

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

09/06/2021 19h30 — em Bastidores da Política

Fala-se em suposta quebra de acordo entre governo do Amazonas e Comando Vermelho para explicar os atos de violência ocorridos no último domingo em Manaus. Se houve em algum momento "negociações" entre agentes do governo e criminosos é um fato gravíssimo a apurar.

Na prática, tal ocorrência, se comprovada, representa não apenas uma rendição  tácita do governo do Amazonas a uma organização criminosa, como torna cúmplices e, portanto, criminosos,  os agentes  envolvidos  nesse pacto que afronta o Estado de Direito como conhecemos.

Quando agentes públicos negociam com uma organização criminosa, o Estado perde seu poder uno e indivisível para se tornar uma célula do crime organizado.

Incapaz de proteger a sociedade, com suas leis, suas instituições criadas para estabelecer normas, executá-las ou cumpri-las, o Estado, enfraquecido e decadente, se escolhe e se submete a chantagem e a violência cujo resultado já conhecemos.

Espera-se atitude mais enérgica dos órgãos de controle. Espera-se, sobretudo, que a acusação que envolve agentes públicos, feita pelos próprios criminosos, seja exaustivamente investigada. No final, 'inocências' poderão ser comprovadas. Ou culpas.

Não se deseja aqui fazer prejulgamentos, mas a investigação é uma forma de chegar a verdade e afastar suspeitas.

Cabe ao Estado do Amazonas o dever de sufocar esse poder paralelo, com adoção urgente de um processo de depuração da polícia e a criação de programas  de formação e de apoio às famílias carentes e especialmente aos jovens nos bairros sob o domínio das facções criminosas.

Ou faz isso, ou entre uma trégua e outra, veremos a cidade submetida ao terror e ao medo, com mais jovens sendo cooptados

Um futuro sombrio que não queremos para a cidade de Manaus.

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.