Desordem e descaso dominam setor de precatórios, afirma corregedora

Por

30/08/2012 16h04 — em Justiça & Direito

A ministra Eliana Calmon, corregedora nacional de Justiça, afirmou nesta quinta-feira (30/08) que a situação do serviço de precatórios nos tribunais “é preocupante”. “Encontramos desordem, descaso, corrupção, em alguns tribunais”, afirmou ela pouco antes da apresentação do balanço do trabalho da Corregedoria em apoio à organização do serviço pelos tribunais. A dívida de estados e municípios em precatórios – dívidas reconhecidas pela Justiça, e não pagas – supera os R$ 94 bilhões, de acordo com levantamento feito pela Corregedoria junto aos tribunais.


"Em todos os tribunais temos problema com precatórios”, disse ela, explicando que a Emenda Constitucional n. 62/2009, transferiu ao Poder Judiciário a atribuição de administrar as dívidas e pagamentos dos precatórios. A emenda também estabeleceu critérios para o pagamento, como o estabelecimento de listas por ordem cronológica e de credores preferenciais. Muitos tribunais não se estruturaram para executar a missão.

Em dois anos, a Corregedoria ajudou a estruturar o serviço em 10 tribunais. O trabalho foi coordenado por Agamenilde Dantas, juíza auxiliar da Corregedoria. “Não é a solução ainda, mas é o começo do trabalho”, comentou a ministra. A iniciativa, segundo ela, serviu de alerta aos presidentes dos tribunais para que estruturem o setor. Caso contrário, podem até responder a processo administrativo.

Eliana Calmon informou que o ministro Francisco Falcão, que a sucederá na Corregedoria Nacional de Justiça e que toma posse no próximo dia 6 de setembro, tem a intenção de manter o programa de organização dos precatórios. Além disso, o CNJ criou um fórum para tratar do assunto, com a participação dos conselheiros.

Clique aqui para ver o balanço do trabalho realizado nos estados atendidos pelo programa.


Gilson Luiz Euzébio
Agência CNJ de Notícias

NULL

O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Justiça & Direito