Assassinato do coordenador tucano: Artur diz que é precipitado falar em conotação politica e Omar cobra resultados da polícia

Por

23/09/2012 21h17 — em Amazonas

O governador Omar Aziz reuniu com a cúpula da segurança e determinou  agilidade nas investigações que apuram o assassinato de Ademir Queiroz Feitoza, que levou cinco tiros pelas costas na noite de sábado. A vítima coordenava a campanha do senador Artur Neto na Zona Leste de Manaus.

Omar fez restrições  ao teor da nota publicada pela Policia Civil neste domingo, onde revela que não foi feita a pericia criminal porque o local do crime teria sido violado.  Para Omar, a Policia precisa ser mais precisa e apresentar resultados. O secretário de Inteligência, Thomaz de Vasconcelos Dias, também foi acionado. Omar deu prazo para a policia resolver o caso.

O governador disse que não admite que se dê conotação politica ao crime, mas que é necessário que os culpados sejam encontrados no menor espaço de tempo, como resposta à sociedade e a  familia da vítima.

O senador Artur Neto também é de opinião que é precipitado relacionar  o assassinato  com a campanha para a Prefeitura de Manaus, disse o advogado  Christian Naranjo, que acompanha o caso. Naranjo ressaltou que a preocupação de Artur no momento é com a esposa e os filhos da vítima, que querem justica e justiça começa, segundo o advogado,  com a  apresentação do autor ou autores do crime.

LEIA MAIS:

CAMINHOS DE ÓDIO

POLÍCIA DIZ QUE LOCAL DO CRIME FOI VIOLADO
 

NULL