Bastidores da Política - O recuo do governador do Amazonas e suas consequências


O recuo do governador do Amazonas e suas consequências

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

27/12/2020 20h53 — em Bastidores da Política

  • Wilson Lima fez um exercício de auto desconstrução de seu governo e tornou-se, definitivamente, um fantasma no palácio da Compensa.

O governador Wilson Lima não apenas recuou, mas também abriu mão do resto da autoridade que ainda detinha. Pressionado a flexibilizar o decreto que estabeleceu o lock-lima, com o gosto acre e amargo da medida que mandava fechar serviços não essenciais para evitar o avanço  da Covid-19, o governador fez um exercício de auto desconstrução de seu governo e tornou-se, definitivamente, um fantasma no palácio da Compensa.

Enfraquecido, fica mais vulnerável a grupos de interesse - os mesmos grupos que o querem refém, impopular e confinado. Pior, agora a receita é o protesto e o governador não terá descanso.

Mesmo contando com um serviço de inteligência e uma “Polícia Militar ativa”, Wilson não sabia das manifestações de sábado, até elas explodirem,  o que mostra que a inteligência do governo falhou e precisa ser mudada.

Falharam também assessores que o ajudaram a redigir o decreto questionado, pouco se importando com suas consequências. Falhou a comunicação do governo, que não preparou a população para as medidas que seriam tomadas.

Wilson precisa restabelecer  a autoridade - para alguém acreditar nele, inclusive quando for ele, como autoridade maior do Estado,  a alertar que há um vírus com alta  letalidade circulando e que medidas  precisam ser tomadas para evitar centenas de mortes.

A receita é simples:  demitir todo esse pessoal e romper com o grupo de comunicação  que esteve por trás  de sua eleição.