Jornal Nacional fez montagem de imagens para incriminar Carlos Almeida

Por Raimundo Holanda

20/10/2020 20h21 — em Bastidores da Política

  • A Globo errou por presunção, assumiu a responsabilidade por uma informação falsa, ao menos na questão relacionada a chegada e saída do vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, do prédio onde ele supostamente reuniu para fechar negócios não republicanos. Quer dizer, assumiu como verdadeiro um fato que o próprio video desmente.

 

 

O video que o Jornal Nacional veiculou, mostrando o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, chegando a um prédio onde supostamente reuniu para receber propina, é uma fraude. Em qualquer outro veiculo, sem o prestígio da Globo, a publicação seria taxada de fake news. Primeiro,  porque se trata de uma montagem. 

A Globo diz que o vice-governador chega ao prédio com assessores e depois é  filmado saindo com uma bolsa, como se as duas imagens fossem sequenciadas naturalmente.

Na verdade é  uma montagem. Na primeira imagem Carlos Almeida chega vestindo uma camisa  branca, calças Jeans e sapatos sociais. Na imagem seguinte, na qual deixa o prédio, veste blusa jeans, calças jeans e sapatos brancos ou tênis. A primeira imagem foi feita a partir do sistema de vigilância do prédio, a segunda por um araponga,  escondido dentro de um carro no estacionamento do edifício.

A Globo errou por presunção, assumiu a responsabilidade por uma informação falsa, ao menos na questão relacionada a chegada e saída do vice governador do prédio onde ele supostamente reuniu para  fechar negócios não republicanos. Quer dizer, assumiu como verdadeiro um fato que o próprio video desmente.  

O estrago que a Globo provocou foi grande, porque a opinião pública comprou o que o Jornal Nacional veiculou como absolutamente verdadeiro. 

Isso não significa que a noticia seja totalmente falsa, mas é maculada por uma informação imprecisa e sabidamente maliciosa, que se ampara na montagem das duas imagens.

A falha da Globo, entretanto, não livra Carlos Almeida das suspeitas levantadas em inquérito da Policia Federal, que aponta supostos vínculos dele com a organização criminosa que superfaturou a compra de respiradores.  Mas ao contrário da Globo, a PF não faz ilações, não monta imagens e é criteriosa nos levantamentos que tem feito até aqui.