Bastidores da Política - Aos amigos levados pela pandemia em Manaus, e os filhos que ficaram


Aos amigos levados pela pandemia em Manaus, e os filhos que ficaram

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

10/01/2021 16h58 — em Bastidores da Política

Que coisa chata não falar de sonhos e de esperança no ano novo. Sequer há a perspectiva de um novo dia. Hoje são 10 do primeiro mês do ano e ainda não recebi uma palavra de carinho. E sei porque. Como sei! Grandes amigos morreram nessa pandemia - todos acima dos 40 - com se o coronavírus quisesse acabar com toda uma geração que fez, faz ou fazia a história dessa cidade. Em casa a paz também desapareceu: filhos jovens, agitados, revoltados  com o  isolamento como se fossem imunes e de repente não percebessem que poderão se  tornar  a maior ameaça para nós. Quando saem, podem trazer o vírus da morte, que vai deixá-los mancos, mais pobres, mais sós, mais amargurados e órfãos. Filhos com asas, difícil segurá-los.

Onde estão esses filhos?

Mas os outros filhos ? Os filhos da politica, os agentes que adotamos para nos mostrar caminhos?  Continuam em exaustivas e inúteis reuniões de gabinete, pintando prédios, tocando obras, avaliando orçamento, contratos.  Por que ?

David Almeida e Wilson Lima não foram eleitos para mostrar rumos? Buscar soluções ? E o que estão fazendo atualmente? O mais do mesmo. Nada novo. Como se a responsabilidade não fosse deles.

Mais honesto foi o médico  Alberto Nicolau, do Grupo Samel, que admitiu que o quadro é dramático, que não há resposta para o tratamento da nova cepa e que alguma coisa precisa ser feita. Mas o quê ? Evitar a proliferação da doença, como já dissemos ontem, mapeando a cidade toda e erguendo nos bairros  hospitais de campanha. Não é uma solução, mas pode evitar um morticínio sem precedentes na história do Estado.

David e Wilson Lima não têm apenas a obrigação,  têm o dever de sair dos gabinetes, reunir com o Exército, montar tendas nos bairros, iniciar uma ação de socorro, triagem e  confinamento imediatos.

É o mínimo que podem fazer diante da impossibilidade de fazer mais.