Siga o Portal do Holanda

Amazônia

Vice-presidente Mourão quer setor privado como protagonista na bioeconomia

Publicado

em

Hamilton Mourão vê potencial na bioeconomia e CBA - Foto: Divulgação Hamilton Mourão vê potencial na bioeconomia e CBA - Foto: Divulgação
Hamilton Mourão vê potencial na bioeconomia e CBA - Foto: Divulgação

Manaus/AM - O vice-presidente da República e presidente do Conselho Nacional da Amazônia, Hamilton Mourão, participou na última sexta-feira (10) de reunião realizada por meio de videoconferência com representantes da Associação PanAmazônia – entidade que une instituições e empresas da Amazônia Continental (nove estados da Amazônia Brasileira e países como a Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela).

O potencial da bioeconomia e o papel do Centro da Biotecnologia da Amazônia (CBA) foram alguns dos tópicos mencionados pelo vice-presidente em seu diálogo com os participantes da videoconferência.

De acordo com Mourão, o governo federal acredita no potencial da bioeconomia e da agricultura de baixo carbono, além do pagamento por serviços ambientais e do mercado títulos verdes. Para ilustrar seu argumento, ele citou dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que estimam que a bioeconomia movimente no mercado mundial cerca de dois trilhões de euros e gere aproximadamente 22 milhões de empregos. “A organização prevê ainda que a bioeconomia corresponderá ao final desta década a 2,7% do PIB de seus países membros e, possivelmente, esse percentual deverá ser ainda muito maior para países como o Brasil”, disse.

Mourão também defendeu que o Estado atue como coordenador, mas nunca como protagonista do processo de construção de uma agenda econômica sustentável para a Amazônia brasileira – neste caso, o setor privado teria posição mais destacada. O CBA foi citado, neste sentido, como um dos potenciais geradores de benefícios para a sociedade amazônica a partir de investimentos em Ciência e Tecnologia com base nas ricas potencialidades da região.

Para o vice-presidente, é preciso muito investimento em Ciência e Tecnologia e o CBA pode ser melhor aproveitado neste cenário. "Estamos dando um passo extraordinário agora no sentido de dar vida própria ao CBA de modo que as instalações e as pesquisas sejam frutíferas. E aí tem que entrar o setor privado, incentivando e financiando essas pesquisas, para que os frutos delas atendam aos interesses de todos aqueles que vivem na Amazônia”, afirmou Mourão.

Veja Também


Últimas notícias

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.