Racionamento de água já atinge 300 mil pessoas em Manaus

Por

27/06/2014 14h11 — em Amazonas

 

Manaus está sendo obrigada a racionar água em razão  da colisão de um rebocador de balsa   com uma das vigas de sustentação da ponte da adutora de água bruta do Proama. Cerca de 300 mil pessoas continuam sofrendo com o racionamento no abastecimento. O probelma afeta mais as  zonas Norte e Leste da cidade. O governador José Melo anunciou esta manhã  rigor na investigação. 

 O governador José Melo continua desconfiando da forma como a estrutura das instalações do Proama foram atingidas por uma balsa nesta semana e reforçou pedido para que polícia técnica e Capitania dos Portos façam investigação rigorosa sobre o acidente.

José Melo afirmou nesta sexta-feira, em entrevista sobre as medidas tomadas para abastecer a parte da cidade atingida pela perda de abastecimento via Proama, que a pessoa que estava no comando da embarcação “devia estar em estado diferente” e acrescentou que, “sem querer ser leviano, o piloto poderia estar embriagado ou dormindo.”

O governador fez apelo no sentido de que a população de Manaus economize água, pois mesmo tendo ampliado a produção do líquido na Ponta do Ismael, zona Oeste, esse esforço para reduzir o consumo torna mais efetivo o abastecimento para os bairros atingidos da zona Leste, principalmente no Jorge Teixeira e Nova Vitória.

De acordo com técnicos da Manaus Ambiental, pelo menos 29 poços artesianos que haviam sido desativados devem voltar a operar, alguns dos quais já estão em funcionamento, para levar água às áreas atingidas.

Há expectativa por parte desses técnicos de que o Proama volte a operar em cinco dias, mesmo sem sua capacidade total de produção.

Ouça entrevista