Compartilhe este texto

Hamas estuprou mulheres ao invadir Israel, dizem Biden e Netanyahu; terroristas negam

Por Folha de São Paulo

05/12/2023 22h30 — em
Mundo



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após dois meses de pressão de movimentos feministas judaicos por todo o mundo, líderes e organizações começaram nos últimos dias a denunciar supostos atos de violência sexual cometidos por integrantes do Hamas durante a sua incursão a Israel de 7 de outubro. Os terroristas negam as acusações, ainda que elas sejam corroboradas por relatos de testemunhas e vídeos dos ataques.

Um dos líderes que se posicionaram foi o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. "Relatos de mulheres sendo repetidamente estupradas, tendo os corpos mutilados enquanto ainda estavam vivas; de cadáveres sendo profanados; de terroristas do Hamas inflingindo o máximo de dor e sofrimento a essas mulheres e meninas para depois assassiná-las", disse o democrata durante um comício em Boston nesta terça-feira (5). "É repugnante."

Outro dirigente que trouxe o tema à tona também na terça foi o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu. Embora ele tivesse mencionado relatos de estupros já em seu primeiro discurso após os atentados, ele fez nesta terça um de seus pronunciamentos mais enfáticos sobre o assunto.

Newsletter Lá fora Receba no seu email uma seleção semanal com o que de mais importante aconteceu no mundo *** "Ouvi histórias chocantes. Ouvi, como vocês, casos de abuso sexual e de estupro de uma crueldade inédita", disse Bibi, como ele é conhecido. Ele afirmou, no entanto, que não ouviu grupos de direitos humanos e de direitos das mulheres "gritando" sobre isso. "Vocês estavam quietos porque as mulheres eram judias?", questionou durante um encontro com a imprensa.

Em seguida, o premiê -sob grande pressão externa em razão do grande número de mortes de civis causadas pelo avanço do Exército israelense ao sul de Gaza- mudou de idioma, do hebraico para o inglês, como se para ter certeza de que sua mensagem seria ouvida por aqueles a quem se dirigia.

"Pergunto a essas organizações: vocês já ouviram falar dos estupros de mulheres israelenses, das atrocidades horríveis, da mutilação sexual? Onde raios vocês estão? Espero que todos os líderes civilizados, governos e nações se manifestem contra essas atrocidades."

Suspeitas de atos do tipo começaram a surgir no próprio 7 de Outubro, a partir da divulgação de alguns vídeos envolvendo mulheres reféns. Em um deles, por exemplo, uma mulher ruiva era retirada à força de um carro cheio de rebeldes e arrastada pelo cabelo. O assento do veículo em que ela estava parecia estar manchado de sangue.

Nos dias que se seguiram, vídeos de equipamentos de vigilância e relatos de testemunhas e socorristas reforçaram as suspeitas. Além disso, corpos de muitas das vítimas dos atentados foram encontrados nus ou mutilados.

Autoridades de Israel abriram uma investigação sobre os casos, e uma comissão civil foi formada para checar as denúncias. Enquanto isso, organizações judaicas de defesa dos direitos das mulheres começaram a pedir posicionamentos mais eloquentes por parte de entidades como a ONU Mulheres e o movimento #MeToo.

Até uma semana atrás, porém, a resposta havia sido praticamente nula, mesmo depois da realização de atos de protesto em cidades pelo mundo, incluindo São Paulo.

Ato em SP alerta para violência sexual no ataque do Hamas Uma das participantes de um evento voltado para a questão na sede da ONU, em Genebra, na terça passada (28) disse à agência de notícias Reuters que o organismo multilateral estava minimizado o problema.

"Esperávamos uma declaração em alto e bom som dizendo que não há justificativa para usar corpos de mulheres como arma de guerra. Não fizeram nada disso até agora", afirmou a professora da Universidade Bar-Ilan Ruth Halperin-Kaddari na ocasião.

As coisas parecem ter começado a mudar na quinta (30) daquela semana, quando o secretário-geral da entidade, o português António Guterres, publicou uma mensagem no X pedindo a investigação e devido processo judicial para o que descreveu como "diversos relatos de violência sexual".

Dois dias depois, na noite da sexta-feira (1º), a ONU Mulheres emitiu um comunicado em que dizia estar "alarmada com a quantidade de atrocidades relacionadas a violência de gênero e sexual durante esses ataques".

A entidade vinha sendo atacada por ativistas pró-Israel por publicar e, em seguida, apagar uma postagem nas redes sociais em que responsabilizava diretamente o Hamas pelos atentados. À Agência Telegráfica Judaica, a organização disse que buscava com isso refletir as prioridades da entidade.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Mundo

+ Mundo