Com covid-19, jornalista denuncia descaso e ameaça em hospital de Manaus

Por Portal do Holanda

17/10/2020 14h54 — em Manaus

Jornalista Arthemisa Gadelha está com covid-19 - Foto: Reprodução Instagram

Manaus/AM - A jornalista Arthemisa Gadelha foi diagnosticada com covid-19 e procurou atendimento no hospital 28 de Agosto, mas segundo ela, os profissionais não quiseram lhe atender e um enfermeiro chegou a ameaçá-la.
“Estou aqui no 28 de Agosto, não fui atendida, estou com Covid, passando mal aqui, eles querem me mandar de volta para o SPA, o enfermeiro daqui ainda ficou tirando “sarro” com a minha cara e quando comecei a filmar ele ainda disse que eu ia ver se saísse alguma coisa na imprensa, em relação a isso. Eles não vão me atender”, denunciou em áudio divulgado em grupos de Whatsapp.

Procurada pelo Portal do Holanda, a Susam se manifestou sobre o caso afirmando que a paciente está com o quadro leve da doença e que o mesmo, segundo os protocolos, pode ser tratado em unidades básicas de saúde e SPAs.

Veja a nota na íntegra: “A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) esclarece que a paciente deu entrada na unidade às 19h53 de sexta-feira (16/10), solicitando atendimento por suspeita de Covid-19. A paciente foi admitida e passou pelo serviço de triagem, onde foi constatada 97% de saturação, o que representa bons níveis de oxigenação sanguínea, recebendo classificação de risco azul, característica de atendimento de SPA com base no protocolo de Manchester, adotado pelas unidades da rede estadual de saúde para estabelecer as prioridades de atendimento.

Após passar pela triagem, a paciente foi informada pela equipe de plantão que seria atendida, mas que precisaria aguardar, por haver pacientes em situação mais grave. Ainda de acordo com a direção da unidade, a mesma deixou o hospital por conta própria e sem finalizar o atendimento.

A SES-AM lamenta o ocorrido e informa que a Secretaria Executiva de Controle Interno vai acompanhar o caso e apurar o ocorrido e reforça que todas as unidades de saúde estão preparadas para realizar o primeiro atendimento à população e indicar qual deve ser o fluxo a ser seguido.

A secretaria reforça que os atendimentos nas unidades de Saúde do Estado ocorrem de acordo com a gravidade dos casos, que vão dos mais leves (classificação azul), aos mais graves (classificação vermelha) e orienta que em casos de sintomas leves da Covid-19 a população procure os SPAs, UPAs, além das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) do município. Já em casos de sintomas mais graves, como falta de ar, o paciente deve procurar os Pronto-socorros da capital, referências para urgência e emergência”.