Mulher que fez sexo com golfinho revela detalhes de experimento da NASA

Por

10/06/2014 17h41 — em Bizarro

Uma mulher que participou de um experimento científico pioneiro com animais quebrou o silêncio após 50 anos de silência e revelou que fez sexo com um golfinho durante o estudo. Margaret Howe Lovatt, que contou a sua experiência no documentário “A mulher que falava com golfinhos”, que irá ao ar neste mês na BCC, era uma pesquisadora que participou de um projeto financiado pela NASA nas Ilhas Virgens, Estados Unidos, em 1963, que tinha o objetivo de ensinar as criaturas inteligentes do mar a falar inglês.

Para isso, eles inundaram uma casa até os joelhos e colocaram os cientistas para morar com os animais e acompanhá-los 24 horas por dia sem sair de casa. Lá ela conheceu Peter, um golfinho adolescente que se “apaixonou” por ela. “Peter gostava de estar comigo. Ele se esfregava no meu joelho, pé ou mão e eu permiti isso”, revelou. “Eu não estava desconfortável, ele era muito precioso e muito gentil.”

Margaret explicou que no início eles colocavam Peter em um elevador para levá-lo até a ala feminina, onde ele podia ter relações sexuais com as fêmeas, mas depois ela mesma começou a satisfazê-lo com carícias manuais. “Foi sexual da parte dele, mas não foi sexual da minha. Sensual, talvez.”

No entanto, apesar do idealismo da iniciativa, o experimento terminaria numa espiral de polêmicas e escuridão, com rumores de que os golfinhos sofreram diversos abusos, como testes com LSD e outras drogas, além do escândalo sobre a natureza do relacionamento entre Margaret e Peter. “Eu recebi muitas cartas de pessoas querendo me entrevistar, mas eu nunca permiti isso.”

O documentário da BBC será exibido pela primeira vez amanhã 11 de junho no Festival de Documentários Sheffield e depois no canal norte-americano BBC4 na terça-feira, dia 17.