Pesquisa 'faz de conta' do Ibope, mas com impacto no jogo eleitoral

Por RAIMUNDO HOLANDA

11/11/2020 21h28 — em Bastidores da Política

A pesquisa Ibope, divulgada nesta quarta-feira  trouxe, como sempre,  o peso do  nome do instituto, mas  expôs a precariedade da amostragem.  Ao ouvir  500 eleitores em Manaus, o Ibope reduziu de forma drástica a abrangência da pesquisa. Para piorar, o meio utilizado, o telefone,  foi inadequado. Ficou a impressão, ruim, de que  ou  quis marcar posição frente uma competição de institutos  locais mais preparados e sem  vícios ou induzir o eleitorado a fazer  uma opção de voto ainda não consolidada. 

Veiculada em uma rede de tv, o impacto da amostragem pífia, por não ter sido presencial,  é maior, com potencial de mexer no quadro eleitoral. 

Pesquisa não é uma mera aposta. É um conjunto de testes de dados que produz ao final um retrato do sentimento do eleitorado, coisa que  o Ibope não fez. 

É lamentável que uma TV mediana, como a Amazonas, repetidora da Globo, dê espaço a esse tipo de “prognóstico”, feito de forma  desatenta e descompromissada,  com resultados pouco ou não confiáveis.