Bastidores da Política - O culpado pela tragédia de Manaus. Pazuello poupa Wilson por pura cortesia…


O culpado pela tragédia de Manaus. Pazuello poupa Wilson por pura cortesia…

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

12/02/2021 17h50 — em Bastidores da Política

  • Nas reuniões realizadas entre o ministro Eduardo Pazuello e o governador Wilson Lima nos dias que antecederam a crise da falta de oxigênio em Manaus, Lima omitiu esse problema, que já preocupava os médicos na cidade. Não é justo que Pazuello pague agora pela omissão do governador. O descontrole da máquina pública e a crise na saúde aceleraram ainda em maio do ano passado, quando o vice-governador Carlos Almeida deixou a Casa Civil, advertindo que havia ingerência de grupos de interesse que impediam reformas estruturantes e alertava para batidas contra o rochedo. O resultado está aí.

Por cortesia e para não gerar uma crise política, o ministro Eduardo Pazuello, ao ser sabatinado no Senado Federal, não responsabilizou  o governador Wilson Lima pela crise de desabastecimento de oxigênio em Manaus. Preferiu jogar a culpa em quem menos tem culpa - os gestores da rede hospitalar - a maioria médicos que se dedicam a salvar vidas e sofrem ainda hoje com a falta de insumos básicos.

Mas tem razão, em parte, o ministro: seu Ministério não foi avisado. Nas sucessivas reuniões que Pazuello teve com o governador Wilson Lima e o secretário Marcellus Campêlo,  esse detalhe (da escassez de oxigênio) foi omitido. Não é justo que pague pela omissão do governador e do secretário.

Veio a crise. Crise de gestão da saúde pública, incompetência do governador e de seu secretário de saúde, influenciados por um rede de interesses privados que minam um governo que perde credibilidade e se derrete como gelo.  Problema de gestão, sim, cuja consequência todos conhecem.

Aliás, um alerta  já havia sido dado pelo vice-governador Carlos Almeida em maio do ano passado, quando deixou a Casa Ciivil dizendo  que "não se singra por águas tormentosas sem que se tenha de enfrentar " Cila e Caríbdis", uma analogia  a autofagia na qual o governo foi colocado ao se render a grupos de interesse.   

Na mesma carta, o vice governador  adverte que esses personagens  se encontram dentro do governo e que ele vinha lutando "contra esses espectros", mas   admite impotência para afastá-los, pois que era apenas um vice. Deu no que deu. O Estado entrou em declínio com a crise na saúde, onde se revelaram os  Cilas e Caríbdis, com a compra superfaturada de respiradores e outros insumos. Depois, o caos, com a segunda onda e mais de 9 mil mortos.

É hora de Wilson prestar contas pelo desgoverno, de responder por crime de responsabilidade, de ser afastado do cargo, de o Estado e os amazonenses terem a oportunidade de um novo começo.  Ou outras tragédias virão, arrancadas das sombra do imprevisível  por um governador que desdenha dos cidadãos,  que não compreende  o sentido de governar, que não tem laços com a sociedade.

Carlos Almeida já advertia para a crise em maio de 2020. Releia Carta e tire suas conclusões

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.