Bastidores da Política - Amazonas perde com Josué fora da Aleam. Wilson Lima é o grande vitorioso


Amazonas perde com Josué fora da Aleam. Wilson Lima é o grande vitorioso

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

17/03/2021 20h02 — em Bastidores da Política

O Tribunal de Contas do Estado do Amazonas deu posse nesta quarta-feira ao ex-deputado Josué Neto como conselheiro da Corte, em meio a um entusiasmado discurso do governador Wilson Lima. Não era para menos. Josué, que renunciou ao mandato de deputado estadual para assumir a  vaga no pleno do TCE, foi seu maior adversário no Parlamento, responsável por colocar em pauta um pedido de impeachment que só não vingou porque a caneta BIC do governador foi rápida. Josué liderou uma oposição critica ao governo, contribuiu de forma decisiva para a criação da CPI da Saúde, que expôs as vísceras de uma administração perdulária e irresponsável no enfrentamento da pandemia de Covid 19.

Josué falou de destino no discurso de  posse - o destino que o fez chegar ao cargo que ocupa agora - mas esse destino, tão benevolente  com o agora conselheiro, foi cruel com a representatividade popular na Assembleia Legislativa, que perde um de seus melhores quadros.

Talvez por isso o governador Wilson Lima resolveu traçar, ali mesmo no TCE, um retrato da pandemia e a justificar sua incapacidade de gestão. Disse ele: “não há manual ou experiência a ser  emprestada no enfrentamento da pandemia”, e fez uma aposta: “a história há de reconhecer os homens que lutaram para salvar vidas”.

De fato, a história fará esse relato, mas muito provavelmente haverá capítulo a parte revelando a figura que Wilson representou nesse período critico da vida do estado do Amazonas, com compra superfaturada de respiradores e mortes por asfixia nos hospitais.

A história não será benevolente com o governador, nem será mudada a seu gosto. O tempo falará dele como um algoz, não como o herói que  acha que foi, está sendo ou será…

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.