Compartilhe este texto

Ucranianos protestam contra invasão russa no tapete vermelho de Cannes

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

25/05/2022 13h37 — em
Arte e Cultura



CANNES, FRANÇA (FOLHAPRESS) - Foi ao som de uma sirene antiaérea que a equipe do filme ucraniano "Butterfly Vision" embalou a sua subida no tapete vermelho para apresentar o longa na seção Um Certo Olhar, mostra paralela à competição principal do Festival de Cannes, na França.

Os manifestantes ainda traziam plaquinhas com o aviso usado nas redes sociais para conteúdo sensível e estenderam uma faixa negra onde se lia "Russos matam ucranianos. Vocês acham ofensivo e perturbador falar sobre esse genocídio?".

Dirigido por Maksim Nakonechnyi, "Butterfly Vision" vem à mostra francesa de cinema com um conteúdo explosivo. Sua história gira em torno do retorno para casa de uma mulher ucraniana que lutou contra separatistas na região do Donbass, principal foco da invasão empreendida por Vladimir Putin.

"Esse lugar em que estamos, Cannes, é um lugar ideal para fazer esse ato, já que ele nasceu como resposta à censura", disse o diretor em pronunciamento antes da exibição, evocando a criação do festival, no final da década de 1930, pelas potências europeias contrárias às ditaduras nazifascistas da Alemanha e da Itália então no poder --uma grande demonstração de "soft power" frente ao Festival de Veneza, então vitrine do inimigo para o seu poderio cultural.

"Nossa mera existência virou alvo de um genocídio, assim como nossa cultura e nossa língua. União global pode se tornar um escudo para a arte e para as pessoas", declarou o cineasta. "Precisamos ouvir a voz das pessoas que têm experiência, e esse filme é fruto de uma colagem de experiências de pessoas que passaram por momentos duros. Que a luz vença."

Esta não é a primeira manifestação relacionada à Guerra da Ucrânia vista no tapete vermelho de Cannes. No final da semana passada, uma mulher anônima invadiu o tapete vermelho e ficou parcialmente nua minutos antes da estreia do filme "Three Thousand Years of Longing", de George Miller.

Ela pintou a bandeira da Ucrânia sobre seu peito e escreveu "parem de nos estuprar". Só de calcinha, ainda manchou o ventre com tinta vermelha, com marcas de mãos ensanguentadas na virilha.

A abertura do festival ainda contou com a aparição surpresa do presidente ucraniano, Volodimir Zelenski. Ele falou ao vivo de Kiev em um vídeo transmitido antes da estreia mundial de "Coupez!", de Michel Hazanavicius, numa sessão de gala que contou com a presença de celebridades como os atores Édgar Ramírez, Julianne Moore, Rossy de Palma, Nicolaj Coster Waldau e Valeria Golino.



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Arte e Cultura

+ Arte e Cultura