Compartilhe este texto

Fernanda Montenegro afirma estar indignada com o PL Antiaborto por Estupro

Por Folha de São Paulo

19/06/2024 22h45 — em
Arte e Cultura



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma mulher cuida de um homem no final da vida. Vê a saúde dele se deteriorar e a morte chegar dia a dia --enquanto isso, ela reflete sobre a relação dos dois, a passagem do tempo, o luto.

Uma história como outras, não fosse a dupla um dos casais que virou a cabeça da juventude na segunda metade do século 20 --Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir.

A autora relatou essa dolorosa despedida no livro "A Cerimônia do Adeus", da Nova Fronteira, de 1981, no qual reflete sobre a última década de vida do companheiro, a partir de diários próprios, testemunhos de conhecidos e entrevistas que fez com Sartre.

Em 2007, Fernanda Montenegro vivia uma experiência semelhante, diante da piora do quadro de saúde do ator, diretor e produtor Fernando Torres, seu companheiro, que morreria um ano depois.

"Fernando e eu vivendo essa partida, reli 'A Cerimônia do Deus'", afirma a atriz, hoje aos 94 anos. "E quis organizar, sim, esse texto para trazêlo à cena, lembrando e homenageando esse companheiro de vida e de fé teatral. Eu e ele nos juntamos profundamente por esse caminho e vivemos juntos durante 60 anos."

É uma leitura de trechos desse livro --e outras obras da autora-- que a atriz leva aos palcos em "Fernanda Montenegro Lê Simone de Beauvoir". O monólogo estreia sua temporada em São Paulo nesta quinta-feira (20), no Teatro Raul Cortez, do Sesc 14 Bis, com ingressos já esgotados.

"Há na vida sempre uma mulher cuidando do seu homem", diz Fernanda. "A mulher tem mais tempo de vida do que o homem. Então, como não cuidar de um ser humano, que no caso é seu homem, seu amor? E até mesmo sem amor a mulher cuida. Esse ato humanista não se restringe às personalidades da dimensão de Simone e Sartre."

Não é a primeira vez que a atriz leva a obra da filósofa francesa ao teatro. Em 2009, ela encenou "Viver Sem Tempos Mortos", com direção de Felipe Hirsch, também baseada em textos de Beauvoir

Fernanda não encarna a autora. A nova montagem é, como o título diz, uma leitura --no palco, estão apenas uma mesa, uma cadeira, os óculos da atriz e a iluminação. A ideia era ter um espaço sem interferências demasiadas, que privilegiasse a proximidade com o público.

O contato com Beauvoir, um dos nomes mais importantes do feminismo, veio na juventude. A atriz ainda se lembra de quando leu o livro que, mais tarde, se tornaria a principal obra da intelectual.

"O feminismo já se fazia bem provocativo nos anos 1920. Em 1949, 'O Segundo Sexo' chega ao Brasil e fui eu ler, como a maioria dos jovens, esse compêndio. Li de joelhos. Virou a bíblia da minha geração."

Sartre e Beauvoir não eram uma influência para os jovens só pelos livros, mas também pelo jeito como viviam. Juntos por mais de 50 anos, os dois propunham um modelo diferente de relação entre homem e mulher --afastado do que, para eles, eram noções burguesas de decência.

Moravam em casas separadas. Nunca se casaram. Eram livres para ter os amantes que quisessem, de qualquer sexo --e os tiveram, aos montes. Viviam o que hoje se chama de relacionamento aberto.

"Toda maneira de amar vale a pena", afirma ela, ao ser questionada sobre o modelo de casal que os dois intelectuais franceses propunham.

O acordo sentimental de Sartre e Simone ainda rende debates. Uma corrente vê a relação de forma mais crítica hoje, como um arranjo que tinha seus traços sexistas.

Fernanda também vê uma certa assimetria no relacionamento dos dois. "Perscruto sempre com uma lupa os personagens das minhas experiências cênicas. Simone e Sartre viviam uma liberdade sexual absoluta. Simone amava e cultuava Sartre. Sartre amava sim Simone --mas não a cultuava. Ouso dizer, não a cultuava", afirma a atriz.

Em uma das conversas dos dois registradas em "A Cerimônia do Adeus", por exemplo, Sartre admite ter assumido uma postura de dominação com as mulheres com quem se relacionou. E que se achava mais inteligente do que elas.

Em certo ponto, ao ser questionado por Simone, o autor diz que nunca teve um caso com uma mulher que julgasse feia. "Em nossas relações, sempre gostei que as mulheres fossem bonitas, porque era um jeito de desenvolver minha sensibilidade."

Sartre, diga-se, era feiíssimo. Tinha dentes sujos, vestia-se com roupas maiores do que seu tamanho, media cerca de um metro e meio. Há quem diga que pessoalmente era pior do que nas fotos.

Apesar da influência tão marcante de Beauvoir em sua vida, Fernanda continua atenta aos debates mais contemporâneos do feminismo.

Agora, por exemplo, tem lido com espanto o noticiário sobre o PL Antiaborto por Estupro, de autoria do deputado Sóstenes Cavalcante, do PL do Rio. Na semana passada, os deputados federais aprovaram o requerimento de urgência da proposta, em votação relâmpago conduzida pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, do PP de Alagoas.

"Tenho acompanhado esse debate com total indignação."

Mesmo a filiação religiosa da atriz --em seu livro de memórias, ela fala da devoção à Virgem Maria-- não a coloca em conflito com seu feminismo em debates assim, diz ela.

"Há muitas traduções sobre a fala da mãe de Jesus. Prefiro esta: 'Que Deus faça em mim segundo a sua vontade'. É a resposta de uma mulher consciente. Maria é símbolo de uma feminilidade consequente."

Apesar da indignação, Fernanda vê motivos para otimismo nesse debate. "O ganho de reconhecimento do ser humano pleno que é a mulher caminha, sim, com coragem e determinação. E segue avançando."

FERNANDA MONTENEGRO LÊ SIMONE DE BEAUVOIR

Quando: De 20 de junho a 21 de julho; de qui. a sáb., às 20h, e dom., às 18h

Onde: Sesc 14 Bis - r. Dr. Plínio Barreto, 285, São Paulo

Preço: Ingressos esgotados

Classificação: 12 anos


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Arte e Cultura

+ Arte e Cultura