Compartilhe este texto

Burro derrete corações em Cannes com 'EO', que retrata os vícios e virtudes humanas

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

20/05/2022 18h06 — em
Arte e Cultura



CANNES, FRANÇA (FOLHAPRESS) - Foi com certa surpresa que o simpático burro filmado por Jerzy Skolimowski parece ter conquistado a imprensa no Festival de Cannes. Era difícil imaginar que o animal que dá nome a "EO" --"ió" em português, como o som que os burros fazem-- levaria o público numa jornada tão dramática, divertida e intensa.

Mas ao ecoar "A Grande Testemunha", de Robert Bresson, o cineasta polonês de 84 anos apresentou a viagem mais delirante e original dos filmes em competição até agora. Assim como o filme de 1966, "EO" acompanha a vida de um burro, que viaja a Europa mudando de tutor, experimentando o que há de melhor e pior na humanidade.

É com muita habilidade que Skolimowski, em sua sexta tentativa de levar a Palma de Ouro --ele já embolsou outros prêmios com "Vivendo Cada Momento" e "Estranho Poder de Matar"--, deixa seu público entretido. Tecnicamente, o filme se destaca, em especial por sua fotografia cuidadosamente pensada para fazer o protagonista animal mais relacionável com a plateia humana.

É possível entender que o bicho chora quando precisa abandonar sua parceira de picadeiro, num circo. Depois parece gritar enquanto torcedores fanáticos acompanham uma partida de futebol. Ele sente clara inveja de um cavalo que ganha longos banhos diários e, depois, desdenha de um grupo de políticos que inaugura uma obra na cidade.

Todos esses sentimentos chegam à tela sem esforço, sem que um burro de CGI, ou computação gráfica, tenha que ser recriado -talvez a Palma canina deva ser rebatizada para premiar o burro de "EO". A humanização acontece com muita destreza técnica, o que torna a mensagem contra a violência animal, o retrato da Europa contemporânea e a denúncia de vícios e virtudes humanos totalmente palatáveis e sensíveis.

Também do velho continente vem "Frère et Soeur", ou irmão e irmã, novo filme do francês Arnaud Desplechin. A obra é um ensaio sobre o ódio inquestionável e inexplicável entre dois irmãos, papéis dos excelentes Melvil Poupaud e da sempre presente em Cannes Marion Cotillard.

Na trama, os irmãos que estão há anos sem se falar voltam a frequentar os mesmos ambientes quando seus pais sofrem um grave acidente de trânsito. Eles são hospitalizados e a morte à espreita faz o drama familiar avançar. Ela é uma atriz de sucesso e ele, um escritor igualmente popular, que se odeiam por motivos nunca claramente explicados --e é nessa desimportante incerteza que mora o cerne de "Frère et Soeur".

Tudo no filme é exaustivamente carregado, da trilha sonora pesada aos diálogos e picuinhas entre os personagens, que em sua intensidade se comunicam quase sempre por meio de gritos, lamúrias e surtos.

Desplechin, por sua vez, está na sétima tentativa de arrematar a Palma de Ouro, e já foi premiado na Quinzena dos Realizadores por "Três Lembranças da Minha Juventude". Em contraste com os veteranos, houve o estreante Tarik Saleh, cineasta nascido na Suécia e com raízes no Egito, país onde se passa a história de "Boy from Heaven", ou garoto do paraíso.

Cena do filme "Boy From Heaven", de Tark Saleh, que integra a mostra competitiva do Festival de Cannes de 2022 Divulgação Cena do filme "Boy From Heaven", de Tark Saleh, que integra a mostra competitiva do Festival de Cannes de 2022 **** Um thriller político descolado da cartilha ocidental do subgênero, ele acompanha um rapaz que vai estudar na universidade Al-Azhar, uma das principais instituições de ensino do mundo islâmico, localizada no Cairo. Mas quando a maior autoridade religiosa do país adoece, uma complexa engrenagem para decidir seu substituto é acionada, opondo o bom senso ao radicalismo e empurrando o protagonista para um perigoso complô.

É com originalidade que o thriller de "Boy from Heaven" se apresenta, dando um ar de novidade ao propor ao público majoritariamente ocidental do Festival de Cannes um mergulho na política, cultura e religião do mundo árabe.



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Arte e Cultura

+ Arte e Cultura