Número de domicílios tem aumento de 5,88% no Amazonas

Por Portal do Holanda

23/10/2020 12h20 — em Amazonas

Número de habitações cresceu quase 6% no Amazonas - Foto: Divulgação/UGPE

Manaus/AM - Estudos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados no dia 30 de setembro, revelam um crescimento médio anual geométrico de 5,88% no número de domicílios no Amazonas, entre 2010 e 2019.

Por município, Iranduba apresentou o maior crescimento médio anual de residências neste período, um percentual de 12,83%. Em números absolutos, Parintins lidera com um saldo de 8.313 novos domicílios.

O secretário titular da Sedecti, Jório Veiga, destacou a importância do estudo para a definição de políticas públicas por parte dos gestores. "Esses dados são essenciais para o Planejamento de ações nas áreas de Educação, Saúde, Segurança, assim como ações no setor de Infraestrutura, necessárias ao atendimento das demandas à população", afirmou.

A pesquisa realizada pela Secretaria Executiva de Planejamento da Sedecti mostra um salto no número de domicílios no estado, que passou de 583.452, em 2010, para 975.393, em 2019, com um saldo de 391.941 domicílios localizados em áreas urbanas.

Municípios

No ranking dos 62 municípios, em termos de taxa de crescimento médio anual, todos apresentaram aumento acima de 0,95%. Iranduba apresentou a maior expansão domiciliar, com 12,83%, seguido de Santo Antônio do Içá (11,56%), Benjamin Constant (7,36%), Amaturá (7,07%) e Tonantins (6,86%). 

Em Iranduba, a inauguração da Ponte Jornalista Philippe Daou, em 24 de outubro de 2011, facilitando o trânsito entre Manaus e aquele município, pode explicar o expressivo aumento no número de residências apontado pelo estudo.

Os cinco municípios com a menor ampliação domiciliar foram Japurá (0,95%), seguido de Canutama (1,40%), Nhamundá (1,53%), Tapauá (1,74%) e Atalaia do Norte (2,14%).

Em números absolutos, dentre os municípios do interior do Amazonas, Parintins foi o que apresentou o maior saldo em expansão domiciliar (8.313), seguido de Iranduba (7.401), Coari (5.464), Manacapuru (4.993) e Itacoatiara (4.721).

Manaus

A capital amazonense, no ranking da taxa de crescimento urbano entre 2010 e 2019, ocupou o sexto lugar, com incremento de 6,54%, quando saltou de 392.909 residências, em 2010, para 694.998, em 2019.

Embora tenha alcançado esta posição em relação aos municípios do estado, ela representa a participação de 77,08%, o que corresponde a 302.089 do total de 391.941 domicílios do Amazonas, sendo o primeiro na composição do ranking na expansão das residências.