A mãe da Copa agora sofre

Por

08/07/2014 20h10 — em Amazonas

 Em 1950 tivemos o nosso “maracanazzo”. Esperamos 64 anos para ter o nosso “mineirazzo”. No primeiro, perdemos com honra, numa disputa igual; hoje perdemos vergonhosamente. Mas não “caímos de quatro”, inovamos, caímos de sete. Agora somos hepta em goleada na Copa do Mundo. Sobrou pra presidente Dilma. Abriu a Copa do Mundo sendo xingada no Itaquerão, e encerrou o dia ontem sendo xingada pelos torcedores no Mineirão.

Agora dona Dilma vai ter de entregar a taça ao campeão no próximo domingo, consciente que os xingamentos “são ossos do ofício”.

A próxima disputa é no palanque eleitoral, para ver quem terá coragem de bater no peito e dizer que é o “pai” da Copa. Vale para Dilma e para os que a apoiam, aqui e acolá.

Mas é bem provável que os candidatos exorcizem o mal com aquele “jeitinho” do marketing: o importante é dizer não dizendo. Deixar silêncios entre as linhas e figuras.