Especialista alerta para sinais que crianças mostram após sofrerem abuso sexual

Por Portal do Holanda

14/01/2022 11h43 — em Amazonas

Foto: Divulgação

Manaus/AM - A adolescente de 11 anos salva de novas agressões de abuso sexual depois de ter a coragem de escrever um bilhete denunciando ter sido estuprada pelo companheiro a avó dela, um homem de 37 anos, que acabou preso em flagrante, pode servir de exemplo para outras meninas e meninos que estejam vivendo esse mesmo cenário de horror.

“Se você observar uma mudança de comportamento do tipo a criança ou adolescente alegre e extrovertida torna-se calada, não olha mais nos olhos das pessoas, apresenta queda no rendimento escolar, passa a rejeitar a figura masculina, demonstrando incomodar-se com a essa presença, saiba que são indicativos de que algo está acontecendo”, explica a coordenadora do Centro de Referência Especializado em Atendimento a Criança e Adolescentes (Creas), Carla Bernardes.

No ano passado, histórias de violência sexual foram registradas com outras 73 crianças, atendidas pelo Serviço Especializado a Famílias e Indivíduos (Paefi), disponibilizado pela Secretaria da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc).

Em todo o ano de 2021, o Paefi realizou um total 6.943 atendimentos, que inclui outros tipos de violência contra as crianças e adolescentes.

Após o atendimento na Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), a menina recebeu escuta especializada no Serviço de Atendimento às Vítimas de Violências Sexuais (Savvis), quando foram solicitados exames de corpo de delito.

No caso específico dessa criança que escreveu o bilhete, ela foi acolhida pela rede de proteção e esse atendimento iniciou-se no Paefi e vai continuar pelos demais serviços oferecidos pelo centro.

 

PSICOSSOCIAL

“A partir do momento em que a família chega ao Creas, fazemos agendamento, coletamos os dados, encaminhamos para o atendimento com a equipe do Paefi, que reúne profissionais da área  psicossocial, com assistente social e psicóloga, para a acolhida dessas pessoas”, explica Carla.

O atendimento psicossocial não é o terapêutico, mas esse será feito com o acionamento da rede de proteção que conta com a parceria da Cáritas, uma organização da Igreja Católica.

Após da acolhida e a identificação das necessidades identificadas na escuta da vítima e da família, a rede de proteção é acionada para os demais atendimentos necessários, informa a coordenadora do Creas.

 

DISQUE 100

Um aspecto importante, de acordo com Carla, é que a criança vítima de abuso sempre dá sinais, por mínimos que possam parecer.

É importante prestar atenção ao corpinho da criança, que pode apresentar marcas e até infecções causadas pelo abusador.

A escola é também um ambiente onde a criança pode ser observada e a partir daí, com o auxílio de profissionais preparados, pode ser encaminhada a uma escuta que a leve a denunciar o abusador, que na maioria das vezes usa ameaças e chantagens para calar a vítima.

Em caso de suspeita, não pressione a criança, mas ofereça uma escuta aberta e carinhosa, para que ela se sinta confortável e segura para fazer a revelação. Quando isso acontecer, denuncia no Disque 100 e no Conselho Tutelar mais próximo da moradia dela.

Dados da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente divulgados pela Agência de Notícias da Câmara Federal informam que mais de 60% da violência sexual contra crianças e jovens ocorre na residência da vítima, maioria praticada pelos pais, padrastos e conhecidos. E o pior: 41% das notificações são de violência repetida, que já aconteceu antes.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Amazonas