Siga o Portal do Holanda

Manaus

“Maníaco da Calcinha” condenado a 98 anos de prisão

Publicado

em

Por

A 9.ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) condenou o estuprador em série, Wellington de Lima Cardoso, 35, vulgo “Maníaco da Calcinha”, a um total de 98 anos de reclusão, “a ser cumprido em regime, inicialmente,  fechado”, de acordo com a sentença. O réu ficou conhecido por ter cometido uma série de estupros e roubos no período de 4 meses na cidade de Manaus no ano passado.

Wellington de Lima Cardoso, considerando a periculosidade, teve negado, pela Justiça, o direito de apelar em liberdade a fim de garantir a ordem pública que, de acordo com o texto sentenciado, está “suficientemente ultrajada pela ousadia e violência do condenado, conforme demonstrado na fundamentação da decisão”, que classificou a atitude do estuprador como “sádica e resultante de uma personalidade deturpada dado o caráter abjeto dos crimes sexuais”.

No que se refere às vítimas, ficou claro à Justiça que experimentaram um grave transtorno, não tendo elas contribuído para as práticas criminosas do estuprador, apesar de Wellington Cardoso afirmar, em sua defesa, que as mulheres “se ofereceram a ele” e que entrava nos locais somente para roubar.

Os crimes e a pena do réu       

Wellington de Lima Cardoso foi julgado e condenado a 98 anos de reclusão, ao todo, sendo 88 anos pelos estupros reiterados e 10 anos por roubos.

O réu é reincidente, pois já havia sido preso na cidade de Parintins, onde ficou conhecido como “Maníaco da Calcinha” e,  após solto, veio para Manaus. Na capital, de acordo com as investigações que integram o processo, passou a praticar as mesmas condutas delituosas.

Relembrando o caso

Os estupros iniciaram no mês abril de 2011, quando a primeira vítima do condenado registrou a ocorrência na delegacia. A partir daí, iniciaram-se as investigações, que levaram três meses para culminar com a localização e prisão do estuprador.

Histórico de vítimas e datas


Dia 07.04.2011 – Uma mulher foi obrigada a tirar a roupa em um escritório e o réu roubou-lhe um notebook, um celular e R$ 130,00.

Dia 20.04.2011 – Três vítimas (duas mulheres e um homem), em uma clínica, foram obrigadas pelo acusado, mediante o uso de faca, a manterem relações sexuais entre si. Uma das mulheres teve que praticar felação com o réu, que saiu do local levando dois celulares e ummicrosystem.

Dia 25.04.2011 – Uma mulher, em um escritório, foi obrigada a tocar no órgão genital do réu, sob ameaça com faca e teve roubados um notebook e um celular.


Dia 14.05.2011 - Uma mulher, a primeira vítima, atacada em um restaurante; o roubo foi de R$ 370,00, dois celulares e um iPhone.

Dia 28.05.2011 - Três mulheres obrigadas a realizar sexo oral com o acusado em uma loja, de onde o réu fugiu, levando R$ 650,00.

Dia 10.06.2011 - Uma mulher foi estuprada em um consultório; roubo de um netbook, R$ 1.2 mil em espécie e um celular.

As vitimas somente de roubo

Dia 24.05.2011 – Três vítimas conseguiram dissuadir o réu da intenção de praticar estupro e tiveram roubados R$ 5 mil de uma empresa.

Vítimas que nada tiveram roubado, mas foram estupradas

Data indefinida – Vítima estuprada em uma clínica, fato presenciado pela atendente, o réu roubou um celular e dinheiro.

Dia 22.03.2011 - Vítima foi abordada pelo réu lhe oferecendo uma carona em uma motocicleta e uma entrevista de emprego. Relata que aceitou e subiu na garupa da moto guiada por Wellignton de Lima Cardoso, que desviou caminho para a Estrada do Puraquequara e a estuprou, sob a mira de um revólver e uma faca.

Dia 18.05.2011 - Vítima obrigada a praticar sexo anal, vaginal e oral com o réu em um consultório.

Dia 18.06.2011 - Vítima abordada, juntamente com o namorado, na Zona Centro-Sul de Manaus. O réu levou o casal para um matagal, amarrou o rapaz e estuprou a mulher, fugindo do local na garupa de uma motocicleta.

Dia 29.06.2011 - Vítima teve que praticar sexo oral em um escritório jurídico.

Fone: Assessoria do TJAM
 

NULL

+ Manaus

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2020 Portal do Holanda.