Compartilhe este texto

Presidente da Hungria renuncia após escândalo de abuso sexual infantil

Por Folha de São Paulo

10/02/2024 14h30 — em
Mundo



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A presidente da Hungria, Katalin Novak, anunciou sua renúncia neste sábado (10), depois de enfrentar pressão por perdoar um homem condenado como cúmplice por encobrir um caso de abuso sexual em um abrigo infantil.

"Cometi um erro. Hoje é o último dia em que me dirijo a vocês como presidente", disse Novak em um discurso transmitido pela televisão estatal. Novak, que não é chefe de governo, se tornou a primeira mulher presidente do país em 2022, um cargo praticamente protocolar.

Novak, uma aliada próxima do primeiro-ministro conservador Viktor Orbán, perdoou cerca de duas dezenas de pessoas em abril de 2023 —entre elas o vice-diretor do lar de crianças, que ajudou o ex-diretor da instituição a esconder seus crimes.

"Tomei a decisão de conceder o indulto em abril passado acreditando que o condenado não abusou da vulnerabilidade das crianças que ele supervisionava. Cometi um erro porque o perdão e a falta de fundamentação foram adequados para suscitar dúvidas sobre a tolerância zero que se aplica à pedofilia", disse ela.

"Peço desculpa a quem magoei e a todas as vítimas que possam ter tido a impressão de que não as apoiei. Sou, fui e continuarei a ser a favor da proteção das crianças e das famílias", acrescentou. Novak é ex-ministra dos Assuntos da Família.

O homem que Novak perdoou foi condenado a mais de três anos de prisão em 2018 por pressionar as vítimas a retirarem as suas alegações de abuso sexual contra o diretor do lar infantil estatal, que foi condenado a oito anos por abusar de pelo menos dez crianças entre 2004 e 2016.

Nesta semana, os partidos da oposição exigiram a demissão de Novak devido ao caso e, na sexta-feira (9), mil manifestantes reuniram-se no gabinete de Novak pedindo que ela deixasse o cargo.

Numa tentativa de conter os danos políticos, Orbán, cujo partido Fidesz está iniciando a campanha para as eleições para o Parlamento Europeu em junho, apresentou uma alteração constitucional ao parlamento na noite de quinta-feira (8) que priva o presidente do direito de perdoar crimes cometidos contra crianças.

Neste sábado, a ex-ministra da Justiça de Orbán, Judit Varga —que deveria liderar a lista do Fidesz para as eleições, e que também assinou o perdão— disse no Facebook que deixaria o cargo de deputada.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Mundo

+ Mundo