'Infelizmente existe esse movimento feminista', diz Robinho sobre estupro

Por Portal do Holanda

17/10/2020 14h38 — em Famosos & TV

Foto: Reprodução/Youtube Uol

Em meio às gravações divulgadas sobre o caso em que é acusado de participar de um estupro coletivo na Itália, Robinho deu declarações ao Uol, na sexta-feira, que devem resultar em mais polêmicas para o atacante.


O jogador negou ter tido relação sexual com a jovem albanesa, e diz que teve o consentimento dela até o momento em que ele deixou o local. Ele disse que não lembra de tudo o que aconteceu naquele momento, e disse que os trechos vazados da sentença, em que ele fez "pouco" do caso de estupro, estavam "fora de contexto".

"Não tive relação sexual com ela, não. A gente teve relação entre homem e mulher, relações que homem tem com a mulher, mas não chegou a ter nenhuma relação sexual, nenhuma penetração, nada disso", afirmou ele, que nos áudios publicados pelo Globo Esporte, falava que chegou a tentar transar com a jovem, mas não conseguiu e apenas enfiou o pênis em sua boca, o que para ele "não significa transar". Robinho defendeu os amigos, também acusados de estuprar a albanesa:

"Quando eu saí, os garotos continuaram lá com consentimento dela. Então, assim: eu estou me defendendo. Os garotos, se fizeram alguma coisa com ela, não posso falar por eles. Eu sei o que eu fiz com ela e com consentimento dela, entendeu? Então, foi isso que aconteceu", disse. "Quando ela se aproximou de mim, ela não estava embriagada, até porque ela lembra do meu nome, lembra quem sou eu. A pessoa que bebe não lembra de nada. Ela lembra. O fato dela ter saído depois para outra discoteca com os garotos, isso mostra que ela não foi abusada. A pessoa que recebe um abuso, nunca recebi e ninguém da minha família, graças a Deus, que é algo muito sério, ela jamais sairia dali para ir para outro lugar com esses mesmos garotos.".

Crítica ao feminismo

Também na entrevista, Robinho criticou o movimento feminista: "Infelizmente, existe esse movimento feminista. Muitas mulheres às vezes não são nem mulheres, para falar o português claro. E se levantam contra porque coisas que homens...", disse.

Casado, ele diz se arrepender apenas de uma coisa naquela madrugada: "A questão é: qual foi o erro que eu cometi? Qual foi o crime que eu cometi? O erro foi não ter sido fiel a minha esposa, não cometi nenhum erro de estuprar alguém, de abusar de alguma garota ou sair com ela sem o consentimento dela.".

Condenação 

Robinho e Ricard Falco, outro brasileiro acusado do crime, foram condenados pelo Tribunal de Milão a 9 anos de prisão por estupro. No entanto, os seus advogados recorreram da decisão em segunda instância. A análise do processo começa no dia 10 de dezembro.