Compartilhe este texto

Corinthians enfrenta novos incidentes de racismo na Bombonera

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

18/05/2022 13h37 — em
Esportes



BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - A temperatura em Buenos Aires na noite de terça-feira (17) era de 7ºC, porém, dentro da Bombonera, o clima do jogo entre Boca Juniors e Corinthians estava fervilhando: houve cenas de racismo por parte da torcida local, enfrentamento de coros para ver quem cantava mais alto, confusão entre jogadores dentro de campo e uma ruidosa expulsão.

As cenas de racismo ocorreram de modo pontual, mas foram registradas e viralizaram em redes sociais. Alguns torcedores do Boca imitavam macacos quando viam uma câmera focada neles, quase sempre isoladamente, ou quando o jogador colombiano Victor Cantillo, que joga no time paulistano, foi expulso. Ele teve de sair sob escolta, pois, como o túnel da equipe visitante fica logo abaixo da arquibancada onde fica a torcida organizada, voaram objetos tentando atingi-lo, além de gritos de "macaco".

Apesar de ocupar um espaço pequeno, no alto e em um canto da Bombonera, a torcida corintiana tentou durante todo o jogo cantar ou gritar mais algo que a torcida "bostera" (como a do Boca é conhecida). Em vários momentos conseguiu, principalmente depois que o Corinthians abriu o placar com um gol de Du Queiroz, aos 16 minutos do primeiro tempo.

No começo do jogo, a sensação era a de que a torcida brasileira quase não havia comparecido. Durante boa parte do primeiro tempo, via-se pouca gente no espaço designado a ela. Muitos torcedores corintianos, porém, só conseguiram entrar depois de iniciado o jogo, alguns apenas no segundo tempo, devido a um atraso na escolta e no registro realizado nas portas, segundo o clube argentino. Foram poucos, assim, os que viram o gol corintiano. No total, eram 3.000 pessoas, que foram em ônibus para a partida.

Além de entoarem várias vezes o canto "Brasil, Decime Que Se Siente", celebrizado na Copa de 2014, a torcida do Boca também estimulou os jogadores a entrar de verdade na briga com os brasileiros, ocorrida no segundo tempo por conta de uma bola arremessada pelo goleiro Cassio para a lateral para que um jogador do Corinthians fosse atendido. O Boca não a devolveu, mesmo a pedido do juiz uruguaio Christian Ferreyra. "Soca, bata, arrebenta, Boca" ou "estes daqui não saem da Bombonera hoje", gritavam em coro na arquibancada da La 12, torcida organizada do clube portenho.

A torcida brasileira, então, acendeu luzes e soltou fumaça, gritando em defesa de seus jogadores.

O Corinthians compartilhou em suas redes sociais: "O Sport Club Corinthians Paulista considera inaceitáveis as manifestações de racismo da torcida do Boca Juniors, bem como o tratamento dado à sua torcida na chegada do estádio La Bombonera, o que retardou a ocupação dos lugares reservados a ela ao longo de toda a primeira etapa".

A irritação entre os dois clubes parece apenas crescer. No embate entre ambos em São Paulo, no último dia 26, quando o Corinthians venceu por 2 a 0, um torcedor do Boca foi detido por fazer gestos racistas olhando para a torcida do Corinthians. Acabou levado pela Polícia Militar. Com os torcedores do Boca que realizaram os mesmos gestos na Bombonera nad



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Esportes

+ Esportes