Brasil evita nova queda para o México nas Olimpíadas e buscará o bi no futebol

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

03/08/2021 10h06 — em Esportes

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A seleção brasileira se classificou para a final do futebol masculino nas Olimpíadas de Tóquio-2020. Nos pênaltis, o Brasil venceu o México por 4 a 1 nesta terça-feira (3), em Kashima. No tempo regulamentar e na prorrogação, a partida terminou empatada em 0 a 0.

Agora, o Brasil tentará o bicampeonato olímpico consecutivo. No futebol masculino, Grã-Bretanha (1908 e 1912), Uruguai (1924 e 1928), Hungria (1964 e 1968) e Argentina (2004 e 2008) atingiram esse feito.

A seleção chegou à quinta final olímpica no futebol masculino. É o país que mais decidiu o ouro. Anteriormente, perdeu para França (1984), União Soviética (1988) e para o próprio México, que venceu por 2 a 1 em Londres-2012.

O único ouro veio no Rio-2016, quando a seleção brasileira venceu a Alemanha nos pênaltis (5 a 4), após empate em 1 a 1 no tempo normal.

Para chegar à final desta edição dos Jogos, o Brasil venceu, na primeira fase, a Alemanha (4 a 2), empatou com a Costa do Marfim (0 a 0) e bateu a Arábia Saudita (3 a 1). Nas quartas de final, eliminou o Egito (1 a 0).

Na outra semifinal, a Espanha venceu o Japão por 1 a 0 na prorrogação e será o adversário do Brasil no próximo sábado, às 8h30 (horário de Brasília), em Yokohama.

Para o jogo com o México, o técnico André Jardine manteve o Brasil no esquema 4-3-3, substituindo o lesionado Matheus Cunha por Paulinho. Já o treinador Jaime Lozano, do México, também armou a equipe no 4-3-3. Com esquema ofensivo, o time mexicano realizou marcação alta, dificultando a saída de bola da seleção brasileira.

Aos poucos, o Brasil foi se mostrando mais incisivo, obrigando o México a se retrair. O time brasileiro ameaçou o gol, com finalizações dos laterais Guilherme Arana e Daniel Alves, este em duas cobranças de falta. Velho conhecido dos brasileiros, o goleiro Ochoa, 36, mostrou segurança.

O México, por sua vez, chegou com perigo no final do primeiro tempo, aos 41 minutos, com ótimo chute de Romo, para boa defesa de Santos, que espalmou para escanteio.

Na segunda etapa o jogo ficou amarrado, com muitas faltas e nervosismo das duas equipes. Jardine tentou melhorar a movimentação no ataque, com as entradas de Gabriel Martinelli e Reinier. Mas a melhor chance aconteceu com dois titulares. Aos 36 minutos, Daniel Alves cruzou da direita e Richarlison cabeceou na trave. No rebote, o Brasil não conseguiu aproveitar.

Sem gols no tempo regulamentar, a partida foi para a prorrogação. Para o tempo extra, Malcom substituiu Antony. O Brasil manteve a posse de bola (registrou 56% em toda a partida), mas foi pouco efetivo. Com o jogo amarrado no meio de campo, os times criaram poucas oportunidades para marcar. O placar sem gols foi mantido até o fim da prorrogação.

Na disputa de pênaltis, o Brasil acertou as cobranças iniciais, com Daniel Alves, Gabriel Martinelli, Bruno Guimarães e Reinier. Já o México perdeu com Aguirre (defesa de Santos) e Vásquez (na trave). Rodríguez foi o único mexicano a converter. Com vantagem de 3 a 1, Reinier acertou a cobrança decisiva, garantindo a classificação do Brasil.

"A gente já sofreu bastante com esse adversário. Mas este é o futebol. Acredito que tivemos uma atuação muito boa. Sofremos quanto tivemos que sofrer. Só pode passar um, e felizmente foi a gente", afirmou o capitão Daniel Alves, em entrevista ao SporTV.

"Falta um [jogo]. Temos que manter o foco. É muito difícil enfrentar adversários diferentes. Cada um joga de uma maneira e você tem que se reinventar dentro do jogo e da competição. Agora só falta um passo e vamos tentar dar esse passo", acrescentou o lateral.

MÉXICO

Ochoa; Loroña, César Montes, Johan Vásquez e Jesús Angulo (Adrian Mora, aos 7/1ºT da prorrogação); Esquivel (Carlos Rodríguez, no intervalo), Luis Romo e Córdova (Ricardo Angulo, aos 32/2ºT); Antuna (Diego Lainez, aos 16/2ºT), Alexis Vega (Alvarado, aos 46/2ºT) e Henry Martin (Eduardo Aguirre, aos 7/1ºT da prorrogação). T.: Jaime Lozano

BRASIL

Santos; Daniel Alves, Nino, Diego Carlos e Guilherme Arana; Douglas Luiz (Matheus Henrique, aos 9/2ºT da prorrogação), Bruno Guimarães e Claudinho (Reinier, aos 27/2ºT); Antony (Malcom, entre o tempo normal e a prorrogação), Paulinho (Gabriel Martinelli, aos 21/2ºT) e Richarlison. T.: André Jardine

Local: Estádio Kashima, em Kashima (Japão)

Juiz: Georgi Kabakov (Bulgária)

Cartões amarelos: César Montes, Diego Lainez, Henry Martín, Loroña, Luis Romo (México); Diego Carlos, Antony, Bruno Guimarães, Reinier, Douglas Luiz (Brasil)


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Esportes